JULGAMENTO

Parece que desde o berço somos treinados a comparar e julgar. Imersos neste hábito mental, aprendemos a estabelecer relações que orbitam entre uma vítima e um culpado. O julgamento nesta habituação moral e cultural, tem criado muitos transtornos em nossa vida psíquica. Para julgar um outro tivemos que aprender a julgar a nós mesmos e estamos com frequência apontando um dedo para nós mesmos e por vezes, apontando um dedo para outrem, na busca de um culpado. Sair deste vício cultural moralizante, requer um esforço da vontade de ativar nossas alegrias ativas de discernimento, de coragem, que elevam a nossa potência por uma escolha ética. É cultivar afetos alegres que potencializam a nossa vida e o nosso viver.

Abraços   ****

Vivi