INDIGNAÇÃO

Diante de situações desumanizantes, o sentimento de indignação emana de um lugar visceral da pessoa humana. A desumanização é insuportável para o humano. O seu senso natural de justiça existente na consciência, impede a esterilidade. Porém, indignação desprovida de reparação, retira potência e dessensibiliza. Quando nos indignamos, a própria consciência pede a reparação. O que fazer? O que eu posso fazer? Como agir? Mesmo que o espaço de ação seja limitado, a reparação precisa ser seguida da indignação. Podemos ser limitados para agir nas macro estruturas, mas, no micro haverá sempre um mundo de possibilidades. Mesmo que seja uma pequena alteração na conduta pessoal, no olhar que compreende e não condena, na capacidade de refletir que favorece a ampliação de percepção para si e para quem esteja à nossa volta, na mudança de uma atitude pessoal, sempre haverá uma possibilidade transformativa. Indignação desprovida de reparação é fonte de mais sofrimento. Coragem não é enfrentar os medos externos, mas, enfrentar com sabedoria os medos internos, que nos paralisam em narrativas sabotadoras da preguiça interior, dos automatismos convenientes, que reforçam os padrões de comportamentos. Quando indignados, somos capazes de criativamente encontrar espaços reparatórios. Assim, nos fazemos mais humanos e humanizamos o meio à nossa volta. Aqui o altruísmo se fortalece e com ele, o compromisso responsável com o bem comum.

Abraços   ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *