HÁ UMA IDEIA …

Há uma ideia de que as forças que nos movem estão fora de nós e que, portanto, o humano depende de autorizadores, salvadores, legitimadores, legisladores … que de alguma forma decidem pelas escolhas humanas. É uma ideia que vigorou e vigora até os dias de hoje, que insiste em afirmar a impotência do humano, que o humano está e sempre estará, na dependência de algo que está fora dele. Pensando bem, estas ideias retiram do humano a sua responsabilidade quando é conveniente e ao mesmo tempo, introjetam um sentimento de culpa e ou, vitimização. São ideias que despotencializam a vida. Cuidado!

Abraços   ****

Vivi

VOCÊ SABE QUAL É A SUA DIREÇÃO?

“Se um homem não sabe para qual porto navegar, nenhum vento lhe é favorável.” Sêneca  Existir com plenitude,  é saber a direção a seguir. Embora que muitas e muitas vezes tenhamos que alterar a rota de nossa navegação, mas precisamos saber para onde estamos indo e ainda, como estamos indo. Saber qual é a direção da vida que estamos vivendo é fundamental. Se “eu” não souber alguém saberá e tomará a condução da minha vida.

Abraços   ****

Vivi

CUIDADO COM O …

Cuidado com o ressentimento! Há muita gente por aí que se nutre do ressentir! Estas gentes são as que acusam e culpam e de tanto acusar o outro, ou os outros, ou o mundo por suas falências, se mantém acusando e culpando e se torna um ser indigesto. Cuidado com estas gentes! Não se deixe intoxicar!

Abraços   ****

Vivi

PLURALIDADE DE VOZES

O ser humano é plural e muitas são as vozes através das quais ele manifesta. Pluralidade e diversidade, são dois elementos que compõe a vida humana em suas expressões. Esta é uma realidade que até podemos entender pelas lentes da racionalidade, no entanto na prática da convivência, as divergências e a incapacidade de fazer adequações fica evidente. Aqui começam, muitas vezes, as discórdias e desentendimentos. Se não conseguimos entender, para compreender, a pluralidade das vozes que existem em nossa mente, como nos ajustar às pluralidades e diversidades que se manifestam nas relações de convivência?

Abraços   ****

Vivi

TERCEIRIZAR A CULPA

Existe um hábito mental que é encontrar um culpado para um determinado acontecimento que seja contrário à nossa vontade, ou a um “mal feito”. Um hábito ou padrão mental que diz respeito à tendência de transferir a culpa, ou a responsabilidade para outrem. Este hábito mental se nutre dos julgamentos. Comparar e julgar os outros pelos acontecidos, é um jeito de terceirizar uma culpa e deixar de assumir responsabilidade sobre seus atos.

Abraços   ****

Vivi

VIOLÊNCIA

Toda a violência diz respeito a um abuso de poder. É quando o violentador ou o abusador, ou o déspota, goza com a humilhação que ele exerce sobre o abusado. Por mais incrível que pareça, há um gozo, um prazer no abusador, naquele que faz uso da violência para exercer o seu poder sobre uma outra pessoa ou sobre um ser vivo. Há um gozo pela fragilidade do outro, e esta é uma característica de alta perversidade de toda violência, de todas as formas que violentam a dignidade de outrem.

Abraços   ****

Vivi

RACISMO

O racismo é uma expressão da violência. É quando o opressor afirma a sua superioridade destruindo, humilhando e desumanizando o outro, seja este outro um indígena, um africano, uma mulher, um LGBT mais, ou tudo isto numa só pessoa. Pergunta indiscreta: existe um racista dentro mim?

Abraços  ****

Vivi

O PODER …

O Poder que é exercido sobre outrem, com a finalidade de controle, necessita de corpos tristes, como diria o filósofo, pensador e escritor G. Deleuze, Corpos felizes e alegres, cheios de energia, são impossíveis de serem controlados.

Abraços   ****

Vivi

CONHECER E COMPREENDER

Nem sempre a pessoa “culta”, que se diz conhecedora do mundo e do conhecimento, não consegue compreender a Si mesma, ao outro e os acontecimentos. Compreender é diferente de conhecer. A compreensão pressupõe uma disponibilidade para ampliar a percepção, ampliar o sentido do viver em relação. Pressupõe pausas, silêncios para receber os “devires” do acontecimento, no presente vivido. Conhecer é diferente de compreender. Às vezes conhecemos mas somos ignorantes de compreensão.

Abraços   ****

Vivi

JULGAMENTO

Parece que desde o berço somos treinados a comparar e julgar. Imersos neste hábito mental, aprendemos a estabelecer relações que orbitam entre uma vítima e um culpado. O julgamento nesta habituação moral e cultural, tem criado muitos transtornos em nossa vida psíquica. Para julgar um outro tivemos que aprender a julgar a nós mesmos e estamos com frequência apontando um dedo para nós mesmos e por vezes, apontando um dedo para outrem, na busca de um culpado. Sair deste vício cultural moralizante, requer um esforço da vontade de ativar nossas alegrias ativas de discernimento, de coragem, que elevam a nossa potência por uma escolha ética. É cultivar afetos alegres que potencializam a nossa vida e o nosso viver.

Abraços   ****

Vivi