VETORES DO CAPITALISMO

O capitalismo industrial, segundo Foucault, tende a um direcionamento disciplinar dos corpos individuais nas instituições, sejam elas escolares, hospitalares, fabris e prisionais. São vetores da disciplina e das biopolíticas, como um conjunto de técnicas orientadas para a dominação. O impulso para a individualização treina o homem-corpo da sociedade industrial, docilizando os corpos e “domesticando as almas”. A impulso para a massificação, procura regulamentar os fatores vivos das populações, tendo como referência o homem-espécie. Disciplina e biopolíticas são os vetores do capitalismo. Contudo, é na Modernidade, com o avanço do conhecimento científico e informacional-tecnológico, que as biopolíticas puderam ser elaboradas e implantadas, no sentido de intervir nas populações. A estatística e os métodos de análise demográficas tem contribuído para este avanço. Os instrumentos de normalização produzem efeitos nos corpos e nas populações, que muitas vezes maximizam, mas, igualmente expropriam as forças humanas para serem úteis. Em meio às forças do saber e do poder atuantes nos corpos e nas subjetividades humanas, através dos dispositivos recentes de biopoder, a consciência ética é imperiosa de ser construída, para que tanto o ser-indivíduo como o ser-do-coletivo, estejam atentos para não serem capturados pela tecnociência contemporânea. Pergunta: a quem servir, a Deus ou ao Diabo?

Abraços   ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *