UMA  VIDA  DESPERTA

Não me cabe a menor dúvida de que viver uma vida desperta é uma experiência gratificante. As ilusões românticas idealizadas, que acionam os desejos das paixões impulsivas, a imaginação que alimenta as tagarelices e as divagações da mente ansiosa, criando cenários que se transvestem de falsas realidades, são todos elementos que se apropriam do estado de presença mental. São os usurpadores da consciência e da capacidade perceptiva humana. Reconhecer a toxidade destes processos mentais alimentados pela “ignorância” e pela “preguiça”, que se recusam a um pensar honesto e vigilante, são os grandes obstáculos da maturidade para uma vida desperta, ou seja, para um viver consciente de si, de seu entorno e do mundo. Ocorre que, quanto mais uma pessoa se abandona às suas próprias ilusões e às “realidades imaginadas” ou falsas realidades, mais distante de um estado de plenitude ela fica. Uma vida aprisionada em padrões mentais corrosivos, é uma vida de sofrimento e infelicidade. Estar consciente de si e de seus estados mentais e, com boa vontade, escolher e se exercitar para estar atento, desperto e com clareza mental, é querer se aproximar da felicidade e da auto realização. Viver uma vida desperta além de ser uma experiência altamente gratificante, é também uma experiência que dignifica a si mesmo e a própria vida.

 

Abraços   ****

Vivi

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *