SOLUÇÕES SIMPLES PARA PROBLEMAS COMPLEXOS

Em tempos de grandes passagens mutacionais, o interregno se apresenta como um período histórico de contradições, decadências, irracionalidades, alienações, vulnerabilidades, angústias entre segurança e liberdade. Período em que surgem figuras carismáticas proclamando promessas, em meio a grandes apelos emocionais e com eles medos e trivialidades, “como se fosse possível haver soluções simples para problemas complexos”. Ilusões criadas para manter estados desprovidos do pensar e do agir, desprovidos de um olhar ampliado que possa ver e captar a dimensão da complexidade da chamada “crise” social, política, financeira, institucional, relacional. O esvaziamento da vontade e com ela o esgotamento da esperança, confunde e distorce, leva ao descrédito alienante. Querer soluções simples para problemas altamente complexos do interregno, apenas alimenta a permanência das relações incertas, insatisfatórias e superficiais. Trazer a esperança, é depositar esforço para pensar e agir muito além das fronteiras locais e imediatas, para se lançar na dinâmica das interconexões históricas do local e do global, do menor e do maior, do indivíduo e do coletivo, do privado e do institucional, do material e do imaterial, de forma conjunta e em permanente transformação criativa, em sinergia com  os acontecimentos. Questões complexas, exigem um pensar complexo. Há um tempo em que algo deixou de ser e algo ainda não é.

Abraços   ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *