SER HUMANO – SUJEITO DE DECISÃO

Acontecimentos e movimentos sociais em diversos locais do mundo, tem evidenciado a preocupação em torno do ser humano como um ser do mundo, no mundo e com o mundo. Um sentido antropológico do momento atual, que vem sendo sinalizado por inúmeros pensadores, inclusive o brasileiro Paulo Freire. Situar a pessoa humana dentro do seu contexto cultural, territorial e histórico, considerando-a como sujeito que tem a capacidade decisória sobre si e seu entorno, tem sido fundamental para encontrarmos juntos, como comunidade humana, os caminhos salutares para reconhecer a diversidade como elemento natural do humano e favorecedora de uma boa convivência. Somos plurais e individuais, somos sujeito de si habitando na comunidade humana e com a comunidade humana. Portanto, toda pessoa humana sendo portadora de uma existência pessoal e coletiva, de experiências vividas, de pensares, emocionares e agires, porta em si mesma conhecimentos, habilidades a serem legitimados e respeitadas. Libertar o humano para o auto reconhecimento de si, faz parte de uma educação libertadora e participativa e com ela a política, a saúde, as religiões.  A dominação controladora tende ao não reconhecimento do humano como sujeito de decisão. Quando a pessoa humana é reconhecida socialmente na sua capacidade decisória, é possível instrumentalizá-la para o discernimento, para o bom senso, para a reflexão. Este é o espaço democrático da verdadeira razão de ser da política, da justiça, da saúde, da educação e igualmente das religiões.

Abraços    ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *