SENTIMENTOS E ARQUITETURA

O mistério da jornada da fertilização do ovo cria o processo gerador de formas, passagens, tubos, que contém líquidos, secreções e eletricidade. À medida que este ser vai se maturando, diálogos vão se estabelecendo entre as formas somáticas e emocionais. Neste processo construtor do ser humano vivo, a arquitetura somática vai se fazendo em consonância com a consciência. O importante é reconhecer que sentimentos e emoções não se fazem isolados da forma. Corpo, sistemas, tubos dentro de tubos, lugares de passagem, rede de capilaridade, ossos e suas porosidades se articulando em ligamentos e se fazendo em dobradiças, tecidos que se invaginam, viscosidades que penetram e se interpenetram em micro espaços nos corpos celulares vivos, em fim todo um conjunto que se constrói na geometria da vida de consciência. Este é o corpo que habitamos no permanente diálogo entre a consciência do si próprio e a inteligência da vida. Fato é que, não há separação alguma entre nossa arquitetura somática e os nossos sentimentos, emoções, inteligência e consciência. Aqui podemos incluir a atitude mental, afinal conforme é a expressão do gesto é a expressão da atitude mental. Se atentos e conscientes de si, é possível fazer escolhas gestuais mais agregadores, caso contrário o automatismo assume o comando, pois o vivo segue inexoravelmente seu projeto do corpo.

Abraços    ****

Vivi

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *