SENTIDO DE COMUNIDADE

 

A Biologia como a Neurociência, evidenciam em suas pesquisas, que a vida só pode existir pelas relações. O vivo faz parte da grande teia de relações. Não existe vida sem relações. Não há vida no isolamento. Embora que estas evidências sejam comprovadas, ainda existimos na ruptura.

As mídias televisivas ou das redes tecnológicas insistem nos mecanismos de  ruptura geradores de medo, ressentimentos, raiva, retaliação, em busca constante de uma competição predatória de forma escrupulosa, em busca de poderes. Neste caldo cultural não espaço para se construir pedagogicamente um sentido de comunidade, muito pelo contrário, o que se tem feito é o isolamento pelo pavor das relações. Sem comunidade, sem a teia, o humano não tem espaço físico nem psicológico, para se fazer um ser de relações e portanto solidário, cooperativo e responsável.

Entendo que, a solidariedade e a cooperação fazem parte existencial do humano e não uma excepcionalidade, como as mídias que servem ao capital, insistem em convencer, talvez para controlar. A Psicologia do Afeto advoga a importância decisiva da nutrição vincular, através da amorosidade, cordialidade, gentileza, que alimentará a cooperação e a solidariedade. É a espontaneidade do afeto sincero que faz nascer o espírito da compaixão como o elo de ligação para o sentimento de pertencimento e gratidão pela comunidade.

Abraços    ****

Vivi

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *