REVISITANDO …

Frente aos tantos dilemas do cotidiano e com eles a necessidade de tomada de decisões com ponderação, pausar e refletir para encontrar os caminhos mais adequados se revelam fundamentais. Repensar e revisitar o bem, o possível e o necessário, como sugere Edgar Morin, está na ordem das urgências. No território do pensar, há que se ter clareza de propósitos, autoconsciência e autodomínio, associadas à sintonia afetiva que considera a empatia, o outro e o seu entorno. Para enfrentar com dignidade os dilemas éticos, de um mundo cujas mudanças adquiriram uma velocidade quase incapaz de uma mente acompanhar, é necessário conjugar a razão com a afetuosidade, a razão com a sensibilidade para o abraço no discernimento. As demandas da complexidade que se apresentam no cenário das relações em todos os âmbitos do vivido, exige um sujeito que saiba discernir o necessário do essencial, o possível dentro daquilo que parece ser impossível, o bem e o justo frente às forças disjuntivas do mal. Nunca foi tão urgente revisitar para repensar e compreender o papel da religação para a regeneração do tecido social. A complexidade social urge pela ética, pela auto-ética, pela auto-análise, pela autocrítica, com o propósito claro de recuperarmos as forças da fraternidade humana e a recusa da vingança e das leis do talião.

Abraços    ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *