PRATICAR A ATENÇÃO – POR QUE?

Quem não está presente está ausente, de si e do mundo. O estado de agitação, de dispersão, evidencia quando somos capturados por nossos pensamentos e emoções, que incansavelmente se modificam. Muito do nosso cansaço físico e mental, da ansiedade, angustias, inquietações e até insatisfações que nos fazem sofrer e ainda geram sofrimento aos que estão à nossa volta, tem haver com a nossa falta de atenção. Ficamos confusos em nossos compromissos, perdemos nossos horários, estamos sempre atrasados, esquecemos nossos “combinados”, achamos uma coisa que na realidade é outra em tantos momentos do nosso viver, tudo está relacionado à nossa falta de atenção. A atenção qualifica a presença. Estar onde se está, com o corpo, a mente e os sentimentos, apesar dos estímulos que desafiam o estado de presença, é uma habilidade que pode ser treinada, como qualquer outra habilidade. Mas, é preciso querer. Como todo treinamento, é preciso dedicação, esforço, tempo, boa vontade, disciplina e amorosidade, com o compromisso que firmamos conosco mesmos. À medida que vamos treinando, inicia-se um desenvolvimento gradual da habilidade de estar presente com a mente, com o corpo e com os sentimentos, em todas as experiências da vida cotidiana, em tudo que fazemos. Vamos ganhando “musculatura interna”, que vai se fortalecendo com a própria prática e com ela vamos tendo a oportunidade de manter a nossa motivação. Acionando os “gatilhos da motivação”, a prática da atenção focada, voluntariamente na consciência, vai ganhando mais potência e vitalidade. Percebemos quando nos perdemos no processo e temos então elementos internos na consciência, pela experiência, para acionar os “antídotos” adequados e continuarmos empenhados em nossa determinação. Na prática da atenção, as sensações corporais tornam-se pronunciadas na inquietação e ansiedade, assim que elas vão se manifestando e podemos então, alterar o processo. Igualmente somos capazes de perceber o fluxo agitado e constante dos nossos pensamentos e podemos interferir, como se corrigíssemos uma “rota”. A atenção é uma qualidade da consciência e uma habilidade que pode ser consciente. Praticar vale a pena!!!!

Abraços    ****

Vivi

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *