PACIÊNCIA

A paciência como uma virtude também pode ser treinada, educada. Em tempos de excessiva agitação, ser paciente nem sempre é uma tarefa fácil. Contudo, viver na agitação é perder a liberdade. Pausar para pensar, pausar para estar presente, pausar para qualificar uma presença, pausar para discernir e escolher … são atitudes que treinadas podem nos ajudar a sair da reatividade, dos automatismos condicionantes, onde não somos capazes de escolher. Sem  paciência,  não há tolerância, não há como compreender nem a si mesmo nem ao outro. A paciência é algo que se cultiva. Ser paciente consigo mesmo para ser paciente com o outro, sem perder a diligência. A paciência anda de mãos dadas com a liberdade e é algo que se descobre milímetro a milímetro.

Abraços   ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *