OBJETORES DA CONSCIÊNCIA

O que pode ser uma objeção para uma consciência, quando esta é confrontada em seus valores éticos? Quando é possível escolher resistir e enfrentar  todo um sistema que se apresenta contrário a um eixo ético pessoal sustentado pelos valores de preservação da vida e de tudo o que vive neste planeta? Resistir e escolher dizer não diante de propostas que exigem a participação na violação dos valores humanos que salvaguardam a vida, as relações humanas e os processos de humanização do humano, evidenciam com clareza a objeção da consciência. O que isto significa? Significa que não interessam os discursos alienantes, pois nada pode justificar matar alguém como é o caso das guerras declaradas e das não declaradas. Os discursos bélicos edificados em constructos mentais que tentam convencer o cidadão das vantagens da beligerância. são banidos de uma consciência que é consciente de seus propósitos de vida. É importante lembrar que as guerras são alimentadas por discursos que tentam convencer o cidadão da sua “necessidade”. No entanto a guerra é o espaço onde é permitido matar, onde o humano “deve” aniquilar o outro humano, que se torna objeto, com a justificativa de ser ele um “inimigo da pátria”. Ter a  consciência destes constructos mentais, é o que alimenta os objetores da consciência, de uma consciência que se recusa a participar destes interesses que só interessam ao poder de controlar e manter a subserviência do cidadão e da pessoa humana. Mudar o modelo mental para ir além de um sistema que serve ao poder do “rolo compressor” do capitalismo, distinguindo os falsos discursos, constitui uma avanço na consciência humana. Atitude de recussa diante destes cenários só é possível quando uma consciência se posiciona contrário, ou seja, aciona os objetores da sua consciência.

Abraços   ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *