O VIVO COMO AGENTE PARTICIPATIVO

 

Entender a cognição como ação é considerar igualmente o conhecimento como ação efetiva, onde o ser vivo age no processo cognitivo e no ambiente. Dito de outra forma, o SER e o FAZER constituem uma unidade autopoiética e portanto, são inseparáveis e nesta relação acontece o CONHECER. Então, é possível considerar a fórmula – SER = FAZER = CONHECER. É no exercício prático da cognição, onde se evidencia a participação do vivo como um agente que está imerso nas situações. O processo cognitivo acontece dentro das interações, nos acoplamentos  do organismo. O pesquisador Francisco Varela concluiu que “o domínio de interações de um sistema autopoiético é seu domínio cognitivo”. Não há separação entre o ser vivo e suas relações com o meio, existe sim  interações. Quando o ser experimenta, encarna, processa, age, ele aprende, porque inter-age. O ambiente o afeta e ele afeta o ambiente na ação. Aqui emerge o conhecimento criativo pela permeabilidade informacional e pela imprevisibilidade que acontece no fazer. Aprender está na relação processual  entre ser, fazer e conhecer, que são inseparáveis.   Sem participação não há criação e o conhecimento fica estéril.

Abraços    ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *