O GRANDE CATALIZADOR – REPULSA À VIOLÊNCIA

Os grandes sábios da história da humanidade, que viveram em sociedades semelhantes à nossa contemporaneidade, com intensos conflitos políticos e relevantes mudanças sociais, entenderam que seria possível redirecionar a mente humana distanciando o “Eu” pensante dos instintos potencialmente destrutivos. A neurociência hoje, tem total clareza que o nosso cérebro possui alguns mecanismos e processadores químicos, que produzem emoções positivas como o amor, a compaixão, a amizade, a gratidão, a disposição para perdoar mas, também possui impulsos básico, atribuídos ao cérebro reptiliano. Os reflexos instintivos mais primitivos como o comer, o lutar, o fugir e o reproduzir-se, fazem parte da estrutura mecânica e química de todo ser humano vivo. Porém, os sábios, pela experiência e treinamento, entenderam que seria possível encontrar uma paz mental, sem ter que se isolar no alto de alguma montanha ou na vastidão do deserto. Todos eles nas diversas tradições, tiveram como “catalizador da grande mudança espiritual a repulsa à violência”, na afirmação de Karen Armstrong. No ano 2000, quando a ONU lançou para o mundo o chamado MANIFESTO 2000, nos seus Seis Princípios, o primeiro deles é : Rejeitar a Violência. A questão desafiante ainda continua sendo não apenas rejeitar e repudiar a violência em todas as suas formas no meio externo, do mais próximo ao mais distante mas, em primeiro lugar e sobretudo, rejeitar a violência interna, pessoal. Talvez, seja este o grande ensinamento dos nossos sábios e a contribuição da neurociência, de que é possível  estimular o “novo cérebro”, a corticalidade. Através do treinamento de clareza mental focada na plena atenção, é possível reconhecer para rejeitar as manifestações instintivas e impulsivas do nosso “velho cérebro” reptiliano e assim, alimentar uma atitude de repulsa à violência que possa advir dos quatro impulsos básicos. Somente no treinamento auto-deliberado da Plena Atenção, será possível acontecer a grande transformação, uma alteração da química cerebral. Atenção e presença, conhecimento e reconhecimento, atitude auto-reguladora, se faz com treinamento pessoal. A solução para a violência pessoal e social, não está na farmácia, nem nos supermercados, nem nas infinidades aquisições mercadológicas ou religiosas ou informacionais, mas está dentro de cada pessoa humana, na vontade primeira de ser um catalizador da paz pela atitude vigilante de repulsa à violência, em pensamentos, palavras e ações.

Abraço   ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *