LEMBRANDO NIETZSCHE

Em tempos de decadência, Nietzsche nos lembrava que era fácil perder “a capacidade espontânea de se auto regular coletiva e individualmente.”  Em tempos em que duvidamos das instituições que criamos, em que a política já não tem um peso no cotidiano de nossas vidas, pois, já não responde às nossas preocupações em relação ao futuro de nossos filhos, as figuras xamânicas e carismáticas fazem apelos emocionais que mais confundem e amedrontam, do que oferecem um caminho confiável. Estamos no interregno, como afirmava o sociólogo Zygmunt Bauman. Fato é que, não é possível haver soluções simples para problemas complexos. Em meio a tantos discursos díspares e relações de poder que jogam entre o representar e o dominar, parece que perdemos o fio de Ariadne, o fio que liga indivíduos a grupos. Contudo, a vida segue e precisamos seguir juntos encontrando os caminhos que viabilizam a coabitação humana. Precisamos da cooperação sem a qual corremos o risco de perdermos a esperança. Quando somos capazes de nos auto regular individualmente, poderemos ter a chance de nos regularmos em comunidades cooperativas. Não podemos perder de vista a imensa capacidade humana de generosidade. Comece onde está, procure ser generoso nas pequenas atitudes! Isto não é pouco nem pequeno, não é simples nem superficial.

Abraços   ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *