INCORPORAR E REALIZAR

Quando se pensa em felicidade,muitas palavras aparecem referindo-se a um certo estado interno. Alguns associam ao humor, outros ao consumo, conquistas e até realizações. Mas aqui cabe a pergunta: que realização? Realização do que? Felicidade é um estado passageiro ou perene? Felicidade e euforia, são estados diferenciados? Felicidade é um estado que depende de uma certa qualidade cognitiva? Ela passa pela reflexão ou independe dela? Verifica-se com certa facilidade, que a felicidade suscita muitas faces.Sabemos que ela está diretamente ligada às nossas emoções e que depende de um sujeito que quer ser feliz, portanto, não é algo que se conquista e pronto, mas, é um estado interno que necessita de permanente presença atencional para ser cultivado. Depende de motivação. Felicidade é um estado de realização interior, vivido, incorporado no cotidiano das ações. Felicidade é uma conquista permanente, momento a momento na direção da capacidade de viver uma vida de plenitude. Mas o que é viver uma vida de plenitude? Aqui, depende de escolhas pessoais. Quais são os valores que uma pessoa cultiva em si mesma, o que para ela tem valor, não preço, em sua vida. Felicidade é ação, é corpo, mente, história, ambiente, encontro, cultura. Sem incorporação não há realização. É preciso um sujeito que atue em sua vida. Atuação é presença com atenção,consciência, um saber de si, longe dos padrões condicionados, uma pessoa que reconhece os padrões habituais condicionantes e escolhe pela experiência somática da liberdade.

Abraços    ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *