IDÉIAS ÚNICAS

O filósofo e político inglês, Isaiah Berlin, nos apresenta com grande clareza a seguinte consideração: “Nada é mais fatal que as idéias únicas, mesmo as nobres, aquelas em que se acredita fanaticamente”.Insistir em sustentar uma ideia única em tempos de grandes mudanças, é lutar contra uma grande correnteza.Estamos em plena mudança sócio-cultural,um período de desconstrução para construção, onde o modelo da sociedade moderna já em entrou em processo de saturação. O moralismo vazio não tem mais sustentação diante de jovens que se tatuam e usam roupas que mais mostram do que ocultam. A tecnociência tem alterado a relação com a velocidade, com o espaço e com o tempo. É preciso reconhecer o novo e pensar de um outro modo, mudando a perspectiva pela qual vemos as coisas, como diria Wittgenstein. Precisamos de uma sintonia mais fina com a sensibilidade dos novos tempos. Os modelos verticalizantes, disciplinares e controladores dos período industrial, perdeu o sentido e não tem mais encaixe neste contemporâneo. Não adianta querer uma ideia única, precisamos pensar com amplitude, em perspectiva, com abrangência, articulando saberes e experiências, reconhecendo a diversidade, sem perder os elos que preservam a vida. Construir um novo modo de estar na cultura, fazendo da existência uma obra de arte.Muito mais que flexibilização, é preciso criar com a arte da sabedoria.

Abraços    ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *