FACILITAR PARA RESTAURAR

Diante do cenário desolador da violência que estamos vivendo neste contemporâneo, em todos os cantos do mundo, inclusive em solo brasileiro, precisamos encontrar novos caminhos que respondam à esta triste realidade. Fato é que, o modelo social vigente tem se mostrado a cada dia mais ineficaz, esgotou-se completamente. A vida corre risco, a dignidade humana está se degenerando. Embora que novas linguagens e expressões evidenciem a necessidade de transformação, é urgente pensarmos juntos, cidadãos e cidadãs, para questionarmos e encontrarmos possibilidades que regenerem o tecido social agonizante. Um dos caminhos que já tem se mostrado eficiente é a Justiça Restaurativa, com a formação de Facilitadores Restaurativos, através de um processo permanente formativo de capacitação pedagógica, em todos os âmbitos de atuação social e relacional. Facilitar para Restaurar, não é imediatismo, não é superficialidade, não é utopia, não é “balela modernosa”, mas um dispositivo, cuja experiência e conhecimento evidencia sua eficácia. O desafio diante dos Processos Restaurativos, das Práticas Restaurativas de solução pacífica de conflitos é a mudança radical na forma de pensar, um outro paradigma, uma outra abordagem para lidar com conflito e a própria violência. Justiceiros não fazem a justiça, mas roubam a dignidade humana por sua falta total de coragem de enxergar que precisamos mudar, nos educar para entender o que acontece em nossas relações. Sair da zona de conforto da dominação, do levar vantagem, dos privilégios, da exclusão, da intimidação, da truculência, não é tarefa fácil nem instantânea, é algo a ser compreendido, reconhecido, educado, se quisermos juntos, como sociedade mudar o cenário de sofrimento humano diante da violência desmedida. Esta é uma tarefa para todos: institucional e pessoal, pública e privada. Grande parte da violência fica mascarada, submersa, escondida e é ela que nutri a violência explícita nas ruas, nas cidades e em todos os cantos do conviver humano. Educar nossas crianças e jovens é fundamental, lembrando que é possível mudar este cenário, mas precisamos do esforço, da boa vontade de todos, pois para restaurar há que facilitar, ou seja formar o facilitador.

Abraços    ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *