FACES DO SENSÍVEL

A razão sensível que se evidencia na pós-modernidade, está nas ruas, nas modas, nas músicas, poesia, modos de ser das pessoas que ocupam os espaços públicos.  O homem comum abre seus espaços ocupando-se de sua dignidade humana. Michel Maffesoli, afirma: “O desenvolvimento da sensibilidade ecológica, a moda dos produtos “orgânicos” e o grande retorno da Senhora Natureza, se inscrevem numa configuração mosaica em que a razão é fortemente temperada pelos sentidos.” Na filosofia, na arte, na sociologia, na arquitetura, inúmeras são as expressões do sensível, sinalizando uma atmosfera pós-moderna, que tende a valorizar formas que se acreditava estarem desaparecidas. Embora suscitando algum pânico a uma sociedade acostumada à regulação e modos controladores dos contratos da razão, as manifestações da face sensível da pessoa comum, manifesta a contaminação das paixões. Reconhecer as novas linguagens e encontrar os meios adequados para se relacionar com elas e todas elas, é um desafio da criatividade dos pactos da pós-modernidade.

Abraços    ****

Vivi

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *