ESTADO MENTAL COM QUALIDADE É ALIMENTO DA ÉTICA

Os estados mentais que oscilam entre o mau humor e a euforia, a dúvida obstinada e as certezas absolutas, impedem o equilíbrio e o bom senso. Nesta gangorra permanente, como um padrão que se estabelece, não há espaço para a reflexão ou qualquer possibilidade de entendimento. Uma espécie de vertigem que se apropria dos pensamentos, que geram ações intempestivas ou conduzem à apatia, à inércia. Na desorientação, o caminho é buscar uma “falsa” segurança nas leis moralizantes. São os discursos de honestidade proferidos pelos corruptos, aqueles que querem a qualquer preço sempre levar vantagem, tirar a melhor sobre outro, seja este outro a instituição, seja este outro alguém de sua proximidade, ou alguém mais distante. Ter o cuidado de manter um estado mental com qualidade, bom senso, discernimento, fruto de processos reflexivos, com direção e significado, já afirma ao mundo um compromisso ético. Aqui as leis reguladoras da conduta, estão fortemente instaladas no sujeito, por uma escolha pessoal e autônoma. A atitude de compromisso responsável com o pensar, o falar e o agir, no viver cotidiano, sinalizam um sujeito ético, afinal, o núcleo essencial da ética é a qualidade do nosso estado mental. Depositar todos os nossos esforços para viver uma vida digna, é também cuidar da qualidade do nosso estado mental. Uma mente que preserva a qualidade da sua presença no mundo, pautada pelo altruísmo e pelos valores fundamentais, é uma mente sadia que se musculariza e se maneja eticamente em cada presente de sua presença no mundo.

Abraços    ****

vivi

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *