DEMOCRATIZAR OU MILITARIZAR – UMA ESCOLHA

Neste momento histórico, onde muitas e diversas são as mudanças em todos os setores da expressão humana, há que se ter cuidado para não haver retrocessos. Ao lado das ondas facilitadoras do diálogo, da comunicação intercultural, das descobertas científicas e tecnológicas que favorecem o intercâmbio dos saberes e das linguagens, aparecem com certa evidência as tendências ao retorno das relações dominadoras, de controle excessivo, seja pelas vias religiosas ou pelo modelo militarista.  Travestidas com as vestes prometêicas e ilusionistas, na garantia de um “mundo melhor”, os cidadãos do planeta correm o risco, pela incapacidade de refletir e problematizar, de não enxergarem a realidade dos fatos e as segundas intenções, que estão por traz de algumas falas de grandes líderes.  Estamos diante de um momento bastante delicado da nossa humanidade, pois se como pessoas humanas e cidadãos,  não assumirmos nosso real posicionamento social, no compromisso e responsabilidade, podemos comprometer nossas conquistas humanitárias de longos anos. Portanto, todo cuidado é pouco, há que se ter muita atenção. Precisamos de ação conjunta e compromisso mútuo diante de tantos desafios, pois parece ser mais fácil colocar um chip na camiseta dos alunos do que ensina-los o caminho da responsabilidade e do respeito. Parece ser mais fácil mandar do que educar e dialogar. Estamos educando para que e por quê? O que significa educar? Que sociedade almejamos para as nossas futuras gerações? Democratizar é educar na liberdade, confiança e segurança. Militarizar é subjugar, estreitar, dominar, intimidar, desconfiar.  Toda ação é uma escolha, seja ela no micro como no macro, no indivíduo como no coletivo. Toda escolha tem consequências, no pequeno como no grande, afinal somos um único organismo vivo.

Abraços   ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *