DA RAIZ PARA A COPA

O imediatismo rompe com a natureza, quando almeja chegar a um sucesso sem passar pelas etapas que podem levar às conquistas. Uma árvore encorpada e frondosa na sua copa, em seus galhos e folhas, geradora de frutos, precisa receber alimento de sua raiz. Assim também ocorre em nossa vida pessoal, se não alimentarmos as vias que conduzem a nossa realização, nunca alcançaremos os frutos e com eles as sementes das futuras criações. Não é possível negar a existência de uma trajetória, não podemos perder o fio da história do nosso crescimento em direção à nossa maturidade. Manter o fio civilizatório, é fundamental para a humanidade poder se reconhecer inserida dentro da história da vida e ser corresponsável no processo evolutivo. Posturas imediatistas, superficiais, egoístas, afastam-nos da cadeia evolutiva e produtiva, na qual todos nós fazemos parte e somos codependentes, porque coexistimos. A vida se faz junto. Negar a nossa história é querer chegar à copa sem passar pela raiz, impossível. Do nascimento à morte, somos uma história, fazemos parte de um processo maior e anterior a nós. A história pessoal está em permanente coevolução com a história da vida. A consciência humana evolui junto com a evolução da história humana, e com a história da vida do vivo. Negar as nossas raízes, é negar a nossa própria vida.

Abraços   ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *