COESÃO – COERÇÃO – RELAÇÃO

Relacionar-se consigo próprio muitas vezes já não é tão fácil quanto parece, pois há momentos em que as dúvidas e os desencantos querem assumir o papel principal em nossas vidas. Relacionar-se com o outro e com todos os outros, tem se tornado ainda mais desafiante. Os humores mudam, os ambientes se modificam, os acontecimentos não cessam e os estímulos são incontáveis, e tudo com intensa velocidade. Como se manter coeso e coerente em meio a este turbilhão? Sem atenção e sem compromisso efetivo com o “ser respeitoso”, a resposta primeira é a coerção, que reprime, exclui e isola. Na coerção há não espaço para a relação e o diálogo fenece. Estar atento para as respostas desagregadoras do repteliano cerebral, mais impulsivo, pois é desprovido da reflexão e do bom senso, tem sido fundamental para garantir a qualidade das nossas relações e relacionamentos. Presença com qualidade é um ato anatômico, que se faz por aprendizagem. Sustentar coerência para a coesão parece simples, mas, no viver relacional necessita de compromisso e boa vontade.

Abraços    ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *