AUTO CONVENCIMENTO – UM PADRÃO

Um dos obstáculos que impedem o crescimento pessoal e, é fonte de sofrimento, pois gera situações de conflito nas relações, é o auto convencimento. Quando uma pessoa está radicalmente convencida de uma ideia, desprovida de um espaço para ouvir sob outros ângulos uma determinada abordagem, desprovida de um querer compreender, se colocando no lugar do outro, refletir com bom senso, discernimento e coerência argumentativa, o diálogo desaparece, o ambiente se tensiona pela competição predatória e o espaço relacional se contamina pelas barreiras da hostilidade. Este é um padrão de comportamento, reflexo de um padrão mental controlador, onde o valor é o  “ganhar a qualquer custo”. Aqui não há a menor possibilidade de diálogo, pois a relação que se estabelece é de verticalidade e controle, não há troca, há mando, imposição. O auto convencimento, é fonte de grande sofrimento para aquele que está “apoltronado” neste lugar e não quer sair de jeito nenhum, e sofrimento para quem está a seu lado, sobretudo se houver uma disparidade hierárquica. O que sobra é desumanização, conflito e “guerra”, ou seja, violência. A violência pode ser velada, mas, é violência para manter o poder. Sob este manto, é facilmente perceptível o preconceito, o levar vantagem, as conveniências que insistem em manter as bases do colonialismo que submete, subjuga, explora o outro e todos os outros. A atitude, o padrão controlador do auto convencimento irredutível e prepotente, está vinculado a um estado de ignorância que não aceita as mudanças sociais e culturais, tem medo de se perder. A pergunta é: como lidar com esta padronagem? Primeiro olhar para si e se reconhecer quando esta atitude aparece em si mesmo, depois, sem julgamento, mudar a si mesmo e na sequência poder reconhecer o padrão no outro, para evitar entrar nas disputas. Ser o mais imparcial possível. Ser competente no gerenciamento de suas emoções, é fundamental. Cultivar a plena atenção, a compaixão, a auto compaixão pelo discernimento.

Abraços   ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *