APENAS EXISTIR NÃO BASTA

Garantir a sobrevivência da nossa espécie já tem sido um grande passo evolutivo. Além de sobreviver é preciso preservar e garantir uma estabilidade duradoura, prosseguindo no processo da evolução em direção à consciência da consciência. Lembrando Simone de Beauvoir “A vida consiste ao mesmo tempo em perpetuar-se e em ultrapassar-se; se não fizer nada além de se manter, viver nada mais será que não morrer.” O ser humano considerado com HOMO SAPIENS SAPIENS, é tido como duplamente sábio ou duplamente conhecedor, afinal é um ser que sabe que sabe. Portanto, nossa consciência e potencial reflexivo, nos permitem olhar para trás e refletir sobre si mesmo. É a reflexão que pode ampliar o olhar do ser humano para além da sua sobrevivência, refinando sua capacidade para viver junto, com todas as outras espécies na biosfera. Porém, este humano que sabe que sabe, ainda não conquistou dispositivos que o façam conviver para co-evoluir. Conviver é mais que viver ou sobreviver, é adaptar-se, gerenciar-se, é encarnar-se cognitivamente, por ações conscientes que possam emergir de dentro para fora no meio ambiente. A capacidade reflexiva e inventiva do humano, está diretamente relacionada à sua capacidade de acoplamento com o meio interno somático e o meio externo dos ambientes onde vive e convive É no acoplamento entre as redes neurais,  redes sociais e ambientais, o campo vivo onde vive e convive todos os humanos que que  o humano pode saber-se, ou saber que saber.

Abraços   ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *