A PRÓPRIA VIDA

Todas as tradições espirituais enfatizaram a importância do sentimento de igualdade a ser preservado pela dedicação mútua, em consonância com um estado de alegria e felicidade. A própria vida traz em si, a beleza manifesta na natureza com toda a sua exuberância e a beleza da consciência humana, para a qual não há limites para o sentimento de bondade amorosa. A própria vida se revela no viver com tranquilidade de espírito, com simplicidade e alegria genuína. A dedicação mútua entre todos os membros da família universal humana, unificada pelos laços do sentimento de genuína igualdade, é a experiência vivificada do sentimento de completude. Para a bondade amorosa e para a alegria não há limites. Quando as barreiras sociais, culturais e ideológicas se desfazem, o sentimento genuíno de realização tem espaço na consciência para se manifestar. A liberdade se manifesta quando a alegria brota de um coração sincero e amoroso afinal, a própria vida é em si mesma a grande fonte de inspiração, de aprendizagem e realização.

Abraços    ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *