A EXPERIÊNCIA DO ESPAÇO SOMÁTICO

 

A beleza arquitetônica, estrutural e funcional do corpo humano, como partícipe organicamente do organismo cósmico, é também uma das grandiosas obras de arte da evolução. Assim como a arquitetura tem a capacidade de organizar e reorganizar os espaços urbanos, a experiência do espaço somático tem o poder de acionar o potencial do vivo na vinculação e reconhecimento de si.

Ser artista de si próprio, autor e autoridade de sua existência é entregar-se à experiência de liberdade, reconciliando-se com a história pessoal, ancestral e genética, em conexão com a  subjetividade. Dispor-se a um olhar desimpedido de reconhecimento de si, habitando os espaços internos, circulando nos fluxos e pulsos, bolsas, camadas, secreções, em meio a sentimentos, sensações, pensamentos, ideias, é construir-se nos encontros com os ambientes nos acontecimentos, em conjunção com os outros seres vivos que circulam e perpassam os espaços.

Dentro e fora, superfície e profundidade, experiência perceptiva que faz conhecimento e reconhecimento de si, na presença de cada instante vivido, é entregar-se à arte de ser quem se é verdadeiramente.

Viver a experiência contínua do espaço somático é um ato de coragem e liberdade, respirando em sintonia com a respiração magnânima do universo, uma presença que se faz presente em todos os presentes vividos.

Abraços    ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *