A ARTE DE TRABALHAR EM REDE

Nem sempre um mais um, é simplesmente dois. Há casos em que um mais um é igual a três, ou seja, um outro um, exemplo a água. Pensar sozinho é diferente de pensar em grupo, sobretudo se as pessoas envolvidas neste grupo preservam o vínculo relacional. Há um provérbio japonês que nos ensina: “Nenhum de nós é tão inteligente quanto todos nós.” Quando as pessoas se disponibilizam, de boa vontade, a somarem esforços, competências, experiência e conhecimento, ideias inovadoras e criativas surgem com maior eficácia. Sozinhos a criatividade se torna mais tímida, mas entre pessoas que se articulam livremente, possibilidades brotam através da efervescência dos diálogos, permitindo descobrir caminhos que isoladamente seria pouco provável de ocorrer com tanta magnitude. A sinergia no trabalho em rede viabiliza conexões altamente produtivas. As redes humanas articuladas em função de metas comuns, forma alianças entre seus componentes. Todos participam e se responsabilizam, cooperam, colaboram sistemicamente, sem assimetrias, todos os componentes são iguais, humanos com humanos na teia relacional. Trabalhar em rede é uma arte, pois depende de alguns ingredientes fundamentais: boa vontade adicionada  a  princípios e valores éticos e democráticos.

Abraços    ****

Vivi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *