DIALOGAR E COLABORAR

Em tempos de incertezas e conflitos de todas as ordens, dialogar e colaborar com boa vontade, são atitudes fundamentais para estabelecer relações de convivência mais humanas e humanizadas. Dialogar não significa imposição ou controle, isto faz parte das discussões. Dialogar é um exercício de colaboração e respeito, ondes as conversações entre duas ou mais pessoas podem encontrar pontos comuns, mesmo diante de situações desafiadoras. Dialogar e colaborar, são ações fundamentais e necessárias para garantir relações de respeito mútuo. Sendo o humano um ser relacional, de palavra, narrativa e gesto, é através do diálogo colaborativo que emergem as possibilidades mais criativas para desfazer conflitos e malentendidos. O que é dito com clareza, sinceridade e honestidade, sempre será bem dito. O que não é dito, ou imposto por uma palavra advinda de um poder que se pretende controlador, sempre será mau dito. Dialogar e colaborar restaura a convivência humana, inclui o diferente e abre espaço para a diversidade.

Abraços   ****

Vivi

ONDE TAMBÉM FICA A IGNORÂNCIA?

Os seres humanos, as pessoas humanas, os indivíduos habitantes deste Planeta Terra, são absolutamente filhos desta Mãe Terra, indistintamente. Respirando o mesmo ar, se alimentando do produto desta mesma Terra na qual todos igualmente circulam e se movimentam. Diferenças existem naturalmente entre todas as pessoas, mas as diferenças que separam uns dos outros é produto da ignorância, da falta de consciência das dinâmicas biocêntricas e das leis constituintes da vida e de tudo que vive e convive nesta Terra.

Abraços  ****

Vivi

 

NOVOS SABERES

Diante te tantas mudanças e alterações no cenário geopolítico mundial, diante de tantos desafios nesta infância do século XXI, querer resolver questões de altíssima complexidade a partir de uma forma de pensar linear de uma razão lógica, tem se mostrado quase impossível. Novos tempos necessitam de novos saberes. Uma cidadania planetária para ser construída, requer um novo modo de pensar que contemple a unidade da complexidade, a unidade do inseparável, uma unidade que seja integrada ao contexto local e global. O ser humano vive e convive no planeta, no universo planetário, vinculado à sociedade e à natureza, em que todos estes componentes estão acoplados igualmente como uma unidade indissolúvel e dinâmica.

Abraços   ****

Vivi

PRAZERES SÃO MOMENTÂNEOS

Diferente de um estado de felicidade, os prazeres são momentâneos. Quem segue uma vida em busca apenas de prazeres, corre mais rapidamente para a frustração. A felicidade não é um estado de prazer, mas um estado interior que é nutrido momento a momento pela busca de realização integral, por uma pessoa que qualifica a sua presença no mundo em que vive. Felicidade e alegria, são estados mentais fruto de um exercício permanente e determinado pelo compromisso pessoal com a sustentação dos valores éticos, dos valores da solidariedade. Felicidade é um compromisso absoluto com a paz interior e o respeito por uma vida com dignidade.

Abraços   ****

Vivi

QUAL É O SENTIDO DA VIDA QUE TENHO VIVIDO?

Ter clareza do sentido da vida que se vive, tem sido fundamental para se manter vivo em tempos turbulentos. A vida é a vida como ela é, com momentos tranquilos e desafiadores. Quando a pessoa tem consciência de qual é o sentido de sua vida, do  significado de vida, mesmo as turbulências e os desafios não são impeditivos para seguir sua vida com dignidade. Quando não se tem sentido na existência, qualquer turbulência pode gerar grandes desajustes. Ter um sentido para a existência é ter direção. Sem direção as pessoas se perdem nos mares das lamentações, dos pessimismos, dos automatismos, das patologias. Saber o que se quer e o que não se quer e ainda, os porquês, é altamente relevante para uma vida ser vivida em sua plenitude.

Abraços   ****

Vivi

 

UM CORPO VIVO …

Um corpo vivo e atento, pode ser uma presença viva. Acontece que nem sempre corpos vivos estão atentos e sem atenção não há presença. Uma pessoa viva nem sempre está atenta. Pode estar viva, se locomovendo e fazendo suas tarefas, porém no piloto automático, na repetição dos automatismos. É a atenção e a qualidade atencional que mantém uma presença que pode escolher e realizar. Os automatismos se mantém na repetição. Uma presença qualificada pela atenção ao presente, se mantém na criatividade. Sem presença, os corpos se movimentam, mas apenas reproduzem modelos.

Abraços  ****

Vivi

 

A BUSCA DO BEM-ESTAR

A escritora Karen Armstrong, tem sido uma defensora contundente da compaixão, afirmando que a busca do bem-estar das pessoas, é a autêntica dimensão de uma expressão religiosa. Disponibilizar-se para gerar o bem-estar do próximo e do distante, do humano e de todos os humanos, deverá ser um princípio a ser compartilhado e vivido irrestritamente, inclusive em relação aos inimigos. Negar a compaixão, é negar o respeito, a compreensão e portanto, a humanização da humanidade pessoal e coletiva..

Abraços   ****

Vivi

COMPAIXÃO

Todas as tradições religiosas, do ocidente e do oriente, ressaltaram a importância da compaixão e das atitudes compassivas. A compaixão está na base de todas as religiões e expressões espirituais. Somente atitudes compassivas podem gerar solidariedade, respeito mútuo, responsabilidade, cooperação e compromisso para com tudo que vive e convive. Nas tradições africanas, a compaixão é um conceito e uma atitude, é um agir que deve ser vivido e praticado no cotidiano das pessoas em suas comunidades.

Abraços   ****

Vivi

 

“UBUNTU “

“Ubuntu” é uma expressão dos aborígenes da África do Sul, que aponta para uma regra ética focada no respeito e na lealdade entre as pessoas. Quando uma pessoa encontra uma outra pessoa e se expressa, na saudação do encontro, com a expressão “Ubuntu”, sua intenção é ressaltar que “uma pessoa é pessoa devido às outras pessoas.”, ou seja, sou quem sou porque todos somos. É um conceito ético, de profundo respeito e responsabilidade. Pessoas devem respeitar pessoas, afinal, porque vivemos juntos e estamos integrados, somos interdependentes. O respeito mútuo, gera confiança e responsabilidade de uns para com os outros. “Ubuntu”!

Abraços   ****

Vivi

FOME DE HABILIDADES

Uma das fomes existentes entre as pessoas, é a fome de habilidades para relacionamentos saudáveis. Relacionar-se com o outro, sobretudo nas diversidades, não se mostra uma tarefa fácil. Entre iguais parece que fica mais fácil, mas entre os diferentes os desafios são maiores, pois requer paciência, tolerância, solidariedade, boa vontade para querer ouvir, querer compreender e ainda, se disponibilizar com atenção e respeito à humanidade e à vida. A convivência ainda é desafiante para o humano, sobretudo quando as diferenças insistem em manter-se no enfrentamento. Projeções, ressentimentos, vergonha, medo, sempre acabam em expressões de hostilidade que facilmente desembocam em violência moral ou concreta. O humano possui enorme quantidade de conhecimento, mas ainda não possui habilidades afetivas conscientes para lidar com suas emoções em certos  relacionamentos.

Abraços   ****

Vivi