PARA PRESERVAR É PRECISO SABER SE PRESERVAR

Quem não se preserva não preserva outrem! Quem mente covardemente para si próprio, mente descaradamente para outrem. Mente por ignorância ou por maldade? Não há como preservar a si mesmo sem preservar outra pessoa, outras pessoas e a natureza. O egoísta, é também egoísta consigo mesmo! Acontece que o egoísta jamais admitirá seu auto egoísmo, afinal, se o egoísta admitir sua auto mesquinhez, ele terá que admitir a mesquinhez que ele coloca para outrem. Para preservar e cuidar do outro e do mundo, é preciso primeiro saber se preservar, se cuidar e deixar de explorar, renunciando para si mesmo qualquer pensamento ou atitude de destruição. Atenção: sendo o mundo redondo, existe a lei do retorno: quem semeia vento colhe tempestade!!!!!

Abraços   ****

Vivi

PRESERVAR OU EXPLORAR?

Numa conversa informal, se perguntarmos a uma pessoa ou a pessoas em um pequeno grupo, o que você considera correto, preservar a natureza ou explorar a natureza, preservar e respeitar a dignidade de uma pessoa ou explorar, subjugar, controlar e até escravizar uma pessoa? Faça esta pergunta para você mesmo e aguarde com sinceridade a sua resposta! Penso que as pessoas dirão que jamais querem ser exploradas e nem gostariam de explorar outrem. Pergunta: então porque pessoas exploram pessoas e exploram a natureza? Por que pessoas se submetem a uma servidão voluntária? Por que destroem a natureza e a vida da natureza? Acredito que vale a reflexão!!!!

Abraços   ****

Vivi

A CHAVE DOS DESAFIOS

A realidade que se apresenta neste momento de pandemias e “pandemônios” , com incertezas, medos e frustrações, com arrependimentos e destruições, com provocações e ameaças de todas as ordens, deixam a cada dia que termina, o amargor do desânimo e da insegurança. Pergunta: como enfrentar estes incessantes desafios que tonteiam a realidade e a visão, que usurpam o potencial e a vontade de prosseguir? A chave para abrir a primeira porta está no resgate da força interior, da coragem pessoal e na lucidez com que enfrenta-se esta realidade para visualizar possibilidades adequadas e precisas a cada momento.

Abraços   ****

Vivi

DESAFIAR OS DESAFIOS – É POSSÍVEL?

Apesar de todos os desafios pandêmicos, a pandemia, ou as pandemias em que toda a população mundial está vivendo nesta segunda década do século XXI, traz a pergunta: estamos preparados para enfrentar os jogos de força que se evidenciam por todos os lados, que insistem em “sabotar” a vida? Estamos conscientes das exigências deste período histórico, que insistem em preservar a vida para alguns e deixar que muitas vidas, humanas e não humanas, sejam sacrificadas? Conseguimos reconhecer os falsos discursos que propagam ódio e separatividade para manter o controle através do medo? Desafiar os desafios, tem sido uma enorme exigência de quem se propõe a preservar a vida para todos os seres, de forma igualitária em todas as partes do mundo. Muitos são os caminhos mas, é preciso um esforço permanente para não se subjugar a nenhum tipo de violência e ao mesmo tempo, manter muita atenção ao sentido e ao significado da existência através de uma mente serena e consciente da sua responsabilidade para com a dignidade da Vida.

Abraços   ****

Vivi

PACIFICAR-SE PARA PACIFICAR

Se almejamos bem-estar social e pessoal, se almejamos relações com o outro e com o mundo que sejam mais saudáveis e pacificadoras, o primeiro passo terá que ser pela via da pacificação interna. Nem todos os artifícios, nem todas as estratégias, nem todo o dinheiro será capaz de oferecer ambientes saudáveis e equilibrados se não houver paz interior. Ilude-se aquele que se diz “detentor de poder” e acredita que seu o “poder” é capaz de tudo e muito mais… O maior poder é o “poder” interior, é o “poder” do autoconhecimento e autogerenciamento, é o “poder” de uma consciência que sabe se manter ao lado da Vida, apesar de todos os desafios. Primeiro se pacifica, para depois pensar no caminho da pacificação exterior. Esta é uma tarefa que exige dedicação e esforço momento a momento, que tem um começo mas jamais um fim.

Abraços   ****

Vivi

ENTRE EU E O OUTRO

Há um espaço entre eu e o outro! Um espaço nem sempre perceptível para muitas pessoas, mas real. Há um espaço relacional, conectivo, que deveria ser cuidado, protegido, preservado. É algo que vai além da empatia, é uma eco-empatia, afinal há uma ressonância afetiva em um ambiente conectivo. Cuidar deste espaço, respeitá-lo, é cuidar de si e do outro.  Tal como afetamos o outro em nossas interlocuções, na presença, no gesto, na fala, também o outro nos afeta, para o bem ou para o mal. Uma palavra, um gesto, um olhar, um corpo vivo, quando em relação com outros corpos vivos num ambiente, sempre causa impressões, positivas ou negativas. O que isto significa? Uma presença viva num espaço pode agregar ou desagregar, aproximar ou afastar, potencializar ou despotencializar. Quando o espaço relacional é saudável e cordado, respeitoso e honesto, esta qualidade relacional qualifica a ambos. Não significa concordar ou descordar mas, respeitar e cuidar. Fato é que, entre duas pessoas, entre duas presenças ou mais, existe um espaço a ser cuidado. Este é o espaço da eco-empatia. Pense nisto!

Abraços ****

Vivi

A CRISE

Estamos em crise! A humanidade e o processo civilizatório estão em crise! Como toda crise, a humanidade, o coletivo e indivíduo, se encontram diante de um ponto, um ponto de bifurcação, em que terá que tomar decisões e fazer escolhas. Uma crise é um momento, ou um período em que é necessário acionar a imaginação criativa e ao mesmo tempo, enfrentar os medos e as regressões mentais e sociais. A imaginação criativa é extremamente fértil no humano, mas para acioná-la há que abandonar os “velhos” modelos, os padrões ou modos de viver e pensar que impediram a potência da vida. Os medos rondam, certamente. As incertezas são inúmeras, mas a potência da vida vem com a coragem de deixar para traz, largar e mudar os velhos hábitos para transformar e permitir que a potência da vida que está bloqueada possa ser desimpedida para florescer. Será que teremos tempo?

Abraços   ****

Vivi

PATOLOGIAS POLÍTICAS

A palavra política e o fazer político, para muitas pessoas ainda é motivo de recusa. É muito comum encontrar pessoas que se recusam a pensar a política julgando que política é uma instância a ser negada, ou deixada de lado, por incontáveis argumentos. Contudo, mesmo que quisermos nos recusar a enfrentar a “política” ela faz parte do humano, da pessoa humana que habita este mundo, que vive na “polis”. Ocorre que, muitos são os discursos que insistem em afirmar o lado perverso e corrupto da política. Nestes cenários a política adoece e com ela são disseminadas as patologias. Pergunta: será que, se cada cidadão pudesse refletir sobre a sua responsabilidade no viver conjunto na polis, ou seja, na cidade, nós poderíamos salvar a política e exigir a responsabilidade dos políticos?

Abraços   ****

Vivi

PARA PENSAR ….

Conectar-se com a alma, abre os caminhos da calma. Estar vibrando com as brisas do mar e se deixar acariciar com o frescor e a leveza, é amar para além dos limites. Consolar, é se manter em solo firme. Uma oração, é uma ação que brota do coração. A coragem frutifica num coração verdadeiro que age com veracidade. Viver no espírito da compaixão é acalmar-se com alma, é amar com a força da sabedoria do mar, é orar com a coragem de um coração que sabe consolar e se consolar.

Abraços   ****

Vivi

CALMA

Cultivar a calma é sabedoria. Acalmar a mente e o coração, é trazer qualidade ao presente. A calma estabiliza, equilibra e abre espaço para a humildade. A humildade alimenta a doçura, que alimenta a calma. O caminho sempre está desimpedido para quem tem calma e pode ver e olhar a realidade assim como ela é.

Abraços   ****

Vivi