ALEGRIA

Alegria é um sentimento, é um estado interior que pode ser cultivado com a sabedoria de um coração amoroso e gentil. Apesar de todas as dificuldades do viver, dos desafios e obstáculos, uma pessoa alegre é aquela que cultiva em seu interior um estado de esperança, de gratidão, de acolhimento, de aprender a aprender sempre. “A alegria é a prova da presença de Deus.” Teilhard Chardin

Abraços  ****

Vivi

APRENDER SEMPRE

Este é um caminho de sabedoria. Se disponibilizar a aprender sempre e olhar o mundo e o viver como oportunidade permanente de aprendizado, é fruto de uma escolha interior. “Não estaremos perdidos. Ao contrário, venceremos se não tivermos desaprendido de aprender.”  Rosa Luxemburgo

Abraços   ****

Vivi

ONDE ESTÁ SORRISO?

Sorrir faz bem ao corpo e a alma. Sorrir é também um estado interior. Pessoas amarguradas, pessimistas, envergonhadas, mau humoradas, dificilmente expressam um sorriso natural. Saber sorrir como um coração amoroso, nos faz mais saudáveis. Um sorriso genuíno vem de um estado interior de alegria e contentamento, de uma beleza acolhedora da vida, de uma gratidão infinita. Um dia sem um sorriso é um dia que ficou desperdiçado. Apesar de todos os obstáculos e desafios do viver, sempre haverá um momento para que a alma expresse um cálido e amoroso sorriso. Sorrir é solidariedade, é deixar que o amor se manifeste livremente. Onde está o seu sorriso mais lindo e acolhedor de si e do mundo?

Abraços   ****

Vivi

CANCELAMENTO

Na lógica do condomínio, quem não está alinhado “tem que ser cancelado”. Nesta lógica a democracia, o diálogo democrático, o respeito pela diversidade, um diálogo que permite conhecer o outro em seus contextos históricos para ampliar a percepção, alterar as lentes  … são possibilidades que inexistem no “condomínio” do entre muros. Tudo que não estiver dentro daquilo que os “condóminos” não aceitam, deve ser sumariamente excluído ou cancelado. Quando a presunção ganha força de um “poder de dominação”, fecham-se as portas para compreender a realidade e as causas subjacentes do medo e dos ressentimentos.

Abraços   ****

Vivi

SOLOS DO SABER

Incontáveis são os solos do saber, os espaços onde os saberes acontecem e se produzem. Cada espaço relacional constrói saberes, modos de ser e estar neste mundo. Constrói conhecimento e cultura. Cultiva suas linguagens, suas narrativas, seus signos e símbolos. Os acontecimentos transformam o pensamento à medida em que acontecem no presente existencial. Olhar para o mundo e para os acontecimentos do mundo, olhar para os espaços relacionais em seus trânsitos e deslocamentos usando as lentes da compreensão, é estar aberto para reconhecer os diversos solos do saber e perceber, sem julgar, quanta riqueza criativa existe no pensar e nos modos de fazer e conhecer do ser humano.

Abraços   ****

Vivi

ACEITAR A SI MESMO

Aprender a aceitar a si mesmo, suas fraquezas e imperfeições, é um exercício permanente de autoconhecimento e auto aprimoramento. O auto reconhecimento, ou o conhecimento de si, pode parecer uma tarefa fácil mas, na realidade, nem é fácil e nem é superficial. Ter a boa vontade e a coragem para entrar em contato com as fraquezas internas, é uma tarefa desafiadora para um “ego” que insiste em permanecer inflado. Quando aceitamos as nossas fragilidades, podemos também reconhecer e valorizar o nosso potencial. A prepotência, como a presunção, são mecanismos de um ego inchado. Aceitar as fragilidades pessoais, é abrir os caminhos para a resiliência, para a transformação, para a autoconfiança.

Abraços   ****

Vivi

ACEITAÇÃO E COMPAIXÃO

Quando abrimos o espaço interior para aceitar as nossas fragilidades, rompemos as barreiras que nos impedem de viver o verdadeiro amor que existe em nossos corações. Quando estamos conscientes das nossas dificuldades e respondemos a elas com gentileza e acolhimento, naturalmente abrimos os caminhos para a auto compaixão. Neste espaço de profunda honestidade com o nosso ser interior, de disponibilidade para nos apoiar nos momentos difíceis do nosso viver, as mudanças começam a ocorrer e a auto confiança desponta. A aceitação de si, é a chave para a compaixão e a auto compaixão.

Abraços   ****

Vivi

MOMENTOS DIFÍCEIS

Os momentos mais difíceis em nossa vida, são excelentes oportunidades para nos conectarmos, através da atenção plena, com a nossa consciência amorosa e auto compassiva.  Ser gentil consigo mesmo, se acalmar, é a chave para trazer a autocompaixão. Pensamentos como : “vai passar”, “vai dar tudo certo”, “é só uma fase”, apesar de todo o sofrimento, são atitudes mentais que funcionam com verdadeiros antídotos para a enfrentar os momentos difíceis da vida, geradores de tanto sofrimento. Nestes momentos difíceis e sofridos da nossa vida, trazer em nosso estado mental a atenção plena e a autocompaixão, abre os espaços para a presença calorosa do acolhimento fraterno da nossa consciência e da nossa alma. Acolher-se compassivamente, é abraçar-se com grande amor, o Amor de Si.

Abraços   ****

Vivi

COMPANHEIRO …

Companheiro é saber repartir o pão, COM PANE! Sentar-se à mesa e repartir o alimento, é ser companheiro. Será que já aprendemos esta lição ao longo de nossa história civilizatória? Embora que a palavra – companheiro/companheira faça parte do nosso cotidiano, das narrativas e linguagens, ainda presenciamos atitudes contrárias. Fala-se em companheirismo, mas, age-se com egoísmo! Temos sido muito bons em proclamar discursos, em fazer uso de uma moral para ditar regras para condutas morais, mas na práxis, o senso de egoísmo, individualismo, exploração, subjugação do outro ou de outros, ainda impera em nossas relações. Até quando?

Abraços   ****

Vivi

IRMANDADE …

Quando algumas vozes falam em irmandade: somos todos irmãos e irmãs vivendo nesta Casa Comum, podemos encontrar algumas vozes que dizem que esta fala é “mística” ou “moralista” ou “romântica” ou “sonhadora…”. Sob uma outra ótica, se nascemos na mesma Casa Comum – o planeta Terra, se nos alimentamos de uma mesma fonte, se todos nós humanos fazemos parte de uma mesma história planetária, cósmica, biológica … então somos irmãos e irmãs igualmente. Somos filhos e filhas de uma mesma origem. Irmandade ! Por que tanto estranhamento? Qual é a dificuldade? Talvez a dificuldade seja o reconhecimento de que somos interdependentes, que dependemos uns dos outros, de todos com todos!!!! Pense nisto!

Abraços   ****

Vivi