A  SERVIÇO  DA   HUMANIDADE

A consciência de um dever de se colocar a serviço da comunidade humana é fruto de uma escolha pessoal, de um compromisso que uma pessoa assume consigo mesmo. Entendendo dever não como obrigatoriedade mas, como gratidão. A disponibilidade para servir o outro e as relações humanas em convivência, oportunizar e preservar a vida em suas diversas instâncias, advém de uma consciência que se amplia para olhar a magnitude do mundo e se entregar em co-participação do processo de edificação da existência humana e da vida. Uma atitude de humildade e gratidão diante da vida e ao mesmo tempo, uma atitude de coragem, de desapego, são os nutrientes daquele que se coloca a serviço  do outro e da comunidade humana. Abdicar um pouco de um “eu” egoísta para se conectar com “eu” altruísta. Ambos fazem parte da criatura humana mas, só uma consciência presente em si mesma pode agir em favor do bem, da bondade e do belo. Servir à humanidade é servir à vida, à sacralidade do mistério vivo da vida, presente em cada centelha do Universo.

Abraços   ****

Vivi

 

 

 

COMUNICAÇÃO EFICAZ

Comunicação é “negócio” sério! Grande parte dos nossos desentendimentos são causados pela falta de comunicação, pela não clareza ou distorções na comunicação. A comunicação parece algo muito simples mas, é altamente complexa pois envolve uma série de fatores, afinal a palavra é apenas uma das expressões. A palavra falada, a palavra escrita, as narrativas, os gestos, o tom de voz, a postura corporal,o olhar, o ritmo acelerado ou lento demais, as imagens, o silêncio … tudo é comunicação. Ter clareza de todo este conjunto é fundamental para a saúde de nossos relacionamentos. Conviver é comunicar. Acontece que, uma boa convivência com o outro, depende de uma boa convivência consigo próprio. Ter consciência e clareza dos pensamentos, dos sentimentos, dos discursos internos, da linguagem corporal, das situações e como elas se apresentam, ter consciência de que  todos nós fazemos parte de um sistema social maior, estamos interconectados e somos interdependentes, é decisivo para uma comunicação eficaz. Uma boa comunicação começa portanto, no interior de cada pessoa humana, na sua capacidade de ter atenção a si própria, ao outro, aos outros e ao meio relacional onde a comunicação se expressa. Estar atento não significa julgar mas, se disponibilizar a compreender.  Saber se comunicar, é também uma arte e um compromisso com o melhor do humano, um compromisso ético fundamental.

Abraços   ****

Vivi

 

 

O MISTÉRIO DA EXISTÊNCIA

Do útero ao túmulo, do nascer ao morrer, a vida e o viver se inserem numa contínua possibilidade de aprendizagem. O ser humano aprende continuamente, tem a oportunidade de se conhecer, se reconhecer, transcender, renovar e ampliar sua percepção e sua consciência ou, a fazer a escolha de se manter no programa do plano biológico. Mesmo se negando ao autoconhecimento de si mesmo, o viver lhe oferece as oportunidades para aprender e aprender sempre. Quando a consciência humana se disponibilidade a enfrentar o dizível e o indizível, o inexplicável pela razão mas, nem por isto inexistente, esta consciência acessa a coragem de se aproximar do “quem sou”. O mistério da vida e do viver pode causar por vezes estremecimentos mas, ao enfrentá-lo é possível “mergulhar” no sentimento da existência, no sentimento cósmico. Quando esta consciência pessoal abre seu interior para o sentido vivo da amizade, da amorosidade, da calidez cordial para consigo, com o outro, com os outros e com mundo numa profunda reverência ao instante presente, o indizível oferece o belo, o espetáculo divino do mistério da existência.

Abraços   ****

Vivi

UM OLHAR CONVENCIONAL …

Quando o olhar da criatura humana fica atrelado às convenções das regras e resultados, convenções da materialidade, da objetividade e   concretude, como se o mundo pudesse ser reduzido a uma contabilidade formalizada pelas normas, o viver se empobrece por uma visão míope. O desprendimento de uma visão convencional e automatizada das coisas, das relações e do mundo, abre espaços de recuperação da ingenuidade, do encantamento para perceber o “esplendor do mundo”, como diria o filósofo e historiador da filosofia Pierre Hadot. As rotinas automatizadas do cotidiano, a pressa, a aceleração, a ansiedade, as urgências, obscurecem o olhar de admiração. Admirar e se encantar com a beleza, a elegância, o maravilhoso espetáculo que o mundo vivo expressa diante dos nossos olhos a cada momento, a cada instante do presente, que está e sempre este à disposição da criatura humana… Conectar-se e maravilhar-se diante da existência do mundo vivo, onde estamos e sempre estivemos, é fruto de um olhar presente no tempo presente de cada instante vivido. Um olhar que se permite silenciar no seu interior e admirar, se encantar diante do “milagre” inaudito da existência da vida num mundo vivo.

Abraços  ****

Vivi

O VALOR DE CADA MOMENTO

Olhar para o mundo apenas como um lugar utilitário da ação humana, além de empobrecer as ações releva a cegueira para uma relação ampliada e respeitosa diante do mundo. O reconhecimento do valor de cada momento da existência, é fruto de uma consciência que se coloca no presente de seu existir. Uma atitude interior de um estado de atenção e compromisso ético, reconhece o infinito valor do momento presente e a seriedade de cada momento da vida, vivido em cada presente existencial. Fazer os fazeres do cotidiano apenas por hábito, é diferente de um fazer que valoriza aquele fazer como se fosse feito pela primeira vez, descobrindo o quanto uma atitude e uma ação pode ser reveladora e quantas implicações existem num simples fazer. Se lhe perguntassem o que você faria se fosse morrer dentro de uma hora, o que você responderia? Se cada momento  da existência é valorizado como um valor absoluto, se cada instante da vida, por mais banal que possa ser, é valorizado como sendo este momento único, talvez pudêssemos valorizar mais o como fazer e não o que fazer. Ter a humildade diante da magnitude de cada momento da vida, é também um exercício de concentração e espiritualidade.Humildade e gratidão, são atitudes de quem reconhece o valor do valor de cada momento da vida, e o valor do valor de estar presente em cada momento como um presente da vida.

Abraços   ****

Vivi

DESPRENDER …

Para uma mente que se disponibiliza, auto deliberadamente,  a acessar a excelência de seu potencial, um dos desafios é se desvencilhar dos hábitos de ver as coisas, de ver o mundo de uma certa maneira. Desprender do habitual, do artificial, do convencional, do construído, do condicionado, do automatizado, indo ao encontro de uma percepção destituída de preconceitos e padrões mentais, requer esforço, diligência, determinação e atenção vigilante. Alguns pensadores na história da filosofia fizeram referência a este propósito, como sendo verdadeiros  exercícios espirituais. Uma consciência pautada no valor do potencial humano, nutrido e edificado pela ética e pela reta conduta, pode encontrar o prazer da felicidade genuína e da completude da liberdade humana.

Abraços   ****

Vivi

VALOR  DA  EXISTÊNCIA

A consciência do valor da existência traz uma atitude de viver cada dia como o último dia da vida. Viver cada momento com o respeito pela intensidade da vida, pelos acontecimentos da vida como ensinamento permanente. O ser humano livre faz de cada momento da vida  um presente meditativo, cuidando, acalentando, valorizando cada instante. Cada instante como único e transformador. A sabedoria de reconhecer que a vida é como ela é. A vida como um presente que se vive numa presença. Presente como tempo e presente como oferta de oportunidade de uma existência consciente. A consciência do valor da existência, valoriza no presente de cada momento, o mistério revelador da vida, tal como ela é: plena de si mesma.

Abraços ****

Vivi

PARA PENSAR …

Pensar e refletir, buscar a compreensão e o entendimento das relações, do viver, dos caminhos trilhados, das escolhas e decisões, reflete um certo modo de viver e conviver consigo e com o mundo. Pensar e refletir com o propósito de compreender e não de julgar, é uma atitude reveladora de uma pessoa que escolhe um modo de vida orientado para o discernimento e a lucidez. Os “amigos da sabedoria”, no caso os filósofos, na própria expressão da palavra, procuram o exercício do pensar como nutriente de sua existência. Pensar e pensar bem, é uma maneira de viver, é um exercício de ampliação de percepção e consciência. Poder ver com mais amplitude, compreendendo as conexões dos fatos, das circunstâncias, dos acontecimentos em seus contextos, é também uma experiência existencial. Saber pensar com amplitude contextualizada, sustentando uma postura interna de compreensão e entendimento do mundo, no mundo vivido, pode parecer uma inquietude mas, é também uma quietude oferecida pela própria compreensão. As descobertas acontecem quando o coração e a mente estão abertos e receptivos para fazer contato com as revelações da existência. Pensar e pensar bem, quando cultivado com alegria alimenta um sentimento de permanência espiritual.

Abraços   ****

vivi

UMA PRESENÇA PRESENTE

Refletir sobre o tempo é pensar em passado, presente e futuro. É pensar momentos e instantes. É pensar na fugacidade do próprio tempo, onde os instantes se transformam, se diluem, por vezes tentam criar raízes que o tempo ultrapassa. O passado já aconteceu, passou e o futuro, ainda está por vir a ser.  O presente é o tempo e nele, é possível encontrar o ápice da consciência humana. Estar consciente de uma consciência, é estar na presença, na pura presença. Sustentar uma mente no tempo presente, consciente de uma presença, apenas percebendo sem julgar, o jogo entre o passado e o futuro, é uma escolha da consciência. Esta tem sido uma escolha da pessoa que se disponibiliza a ser consciente de si, a ser consciente de sua presença no presente de cada instante que o tempo lhe oferece. A liberdade de uma consciência é a liberdade de estar presente em uma presença.

Abraços   ****

Vivi

HISTÓRIAS  QUE  A  MENTE  CONTA

Os pensamentos gostam de serem pensados e a mente humana, “se delicia”  em contar histórias incessantemente. São narrativas imaginadas em forma de pensamentos que constroem realidades também imaginadas. Para justificar, omitir, excluir ou incluir, a mente humana através de suas  narrativas vai encandeando histórias num fluxo permanente que chega a ser exaustivo. Na tentativa de se explicar, a mente se lança em discursos internos de auto sabotagem. São discursos tão bem elaborados que a pessoa se convence e acaba por acreditar que são verdadeiros, contudo são apenas criações da mente que não condizem com a realidade dos fatos, dos acontecimentos e dos próprios sentimentos. Auto engano! Ser consciente deste mecanismo ou padrão mental, pode contribuir para uma vida mais equilibrada e estável, tanto cognitivamente como emocionalmente. Ansiedade, frustração, agitação, desânimo, baixa auto estima, baixa capacidade empática, tédio, pânico,  podem estar associados a uma mente que se nega a ver a realidade tal qual ela se apresenta, pois insiste em ficar aprisionada nas ilusões e criações da imaginação. É possível sair deste redemoinho exaustivo? Pesquisadores afirmam que a chave para a saída deste labirinto, é o reconhecimento deste jogo interno de contação de histórias imaginadas para então  desapegar-se dele.  Em seguida, se manter atento para perceber e reconhecer as sensações, a respiração e sustentar um estado de atenção.

Abraços   ****

Vivi