QUANDO A ATENÇÃO É CONSUMIDA …

De acordo com o cientista cognitivo Herbert Simon ” O que a informação consome é a atenção. Riqueza  de informação significa pobreza de atenção.” Muitos anos antes deste dilúvio de distrações de todas as ordens inclusive as digitais, este pesquisador já apontava que o excesso de informações consome a atenção com débito na concentração, comprometendo as relações de convivência social. A desatenção com as pessoas nos relacionamentos cotidianos, passam uma mensagem de indiferença, alterando as normas implícitas da boa convivência. A atitude de orgulho por operar na multitarefa, de estar continuamente ligado em tudo que acontece e em todas as novidades, causa fadiga mantendo um estado de estresse que se perpetua e  compromete a saúde física, mental e afetiva. Se entregar na desmedida para fazer “mil” coisas ao mesmo tempo, é quase que uma opção por viver à beira de um desfiladeiro, em algum momento os ventos poderão soprar com mais intensidade e o inevitável pode acontecer.

Abraços   ****

Vivi

MULTITAREFA

O sofrimento causado pela era digital em meio às urgências, mensagens,telefones, quantidades incríveis de emails, postagens no Facebook, Instagram e ainda notícias advindas do meio pessoal e social, fazem parte de um conjunto  chamado ” catástrofe total”. Fato é que, a experiência tem sinalizado ser impossível fazer muitas tarefas ao mesmo tempo. Querer estar ao mesmo tempo em todos os lugares, com um cérebro que se conecta com tudo a um só tempo, tem sido fonte permanente de estresse. Os smartphones e outros dispositivos que insistem em manter as pessoas em vários lugares ao mesmo tempo, desqualificam a presença e comprometem a atenção. Hoje existe uma insistência para que as pessoas absorvam muito mais informações do que antes da era digital. Há que refletir sobre multitarefa e distrações digitais. Estamos perdendo habilidades humanas fundamentais para a saúde do corpo, da mente e das relações como empatia e presença pessoal e social.

Abraços   ****

Vivi

FORMAR OU INFORMAR

Quando a educação e todo o processo educacional se transformam numa transação comercial, a prática pedagógica se reduz à simples transmissão de informações. Educar é um compromisso com o humano, com a formação da pessoa humana em sua humanidade, seu caráter, sua integridade e sua responsabilidade. Educar comporta sobretudo o respeito e o compromisso ético. Um saber desvinculado da ética, se torna em sua superficialidade uma mercadoria banal onde o próprio conhecimento é banalizado. O conhecimento como patrimônio da humanidade, requer um profundo respeito para com todas as consciências que ao longo de uma história disponibilizaram e disponibilizam as possibilidades para a preservação da vida em todas as suas manifestações. Quando informação prevalece sobre a formação do ser integral, a formação de uma consciência plena, a capacidade reflexiva se subjuga à banalidade do mal. A educação em seu propósito formativo, pelo exercício permanente  de reflexão crítica, é formadora do caráter da pessoa humana. Aqui o próprio  conhecimento tem espaço para ser formado, transformado e renovado,  a serviço das próximas gerações com vistas ao bem comum. A educação e todos os processos educacionais, precisam resistir ao reducionismo materialista do mercado. Portanto, como diz Edgar Morin “Temos que resistir à barbárie.”

Abraços   ****

Vivi

O DEBATE –  ENFRENTAR  OU  ESQUIVAR

O viver e conviver em sociedade requer diálogo e participação. Uma sociedade que se diz democrática necessita reconhecer a diversidade, o pluralismo, as diferenças e encontrar as vias de adequação. Para uma democracia de fato e de direito, é fundamental discernir entre o respeito mútuo e o respeito espúrio. Uma sociedade justa precisa enfrentar as questões morais mais complexas. Não é possível negar as divergências morais nem as religiosas, pois elas fazem parte  de uma sociedade pluralista. Para tanto, é necessário o compromisso com o diálogo, o debate honesto e transparente onde todos tenham a oportunidade de reflexão para a compreensão. Uma sociedade que tem a justiça como um valor, tem na sua base o debate democrático. Nas  instâncias  da vida pública como na vida privada, os espaços de debate são fundamentais para que a justiça possa se fazer justa. Por maiores que sejam as divergências, é necessário e salutar para uma sociedade, enfrentar com dignidade e respeito mútuo as questões complexas comprometendo-se com a inclusão e o bem comum, para o bem-estar de todos os seus cidadãos. Utopia? Não, coerência e responsabilidade.

Abraços   ****

Vivi

A SACRALIDADE DO COTIDIANO

Viver o cotiano dos dias com atitude respeitosa e acolhedora, valorizando cada instante através de uma mente que se disponibiliza a compreender amorosamente, é acolher na intimidade do ser a sacralidade da vida. Amar o maior e o menor, amar e sempre amar os desafios das perdas e amar com humildade a grandeza das pequenas conquistas, afinal o amor é para ser amado na liberdade íntima do ser. Quando o mais simples e o mais rotineiro pode ser vivido com o sabor do amor incondicional, onde a consciência se liberta de julgar e excluir e ganha a liberdade para admirar, toda a criatura se preenche da sacralidade da vida. O sagrado se manifesta em diversas linguagens e expressões. Uma alma conectada ao bem e ao belo, reconhece as manifestações e pode se nutrir do amor e da plenitude do encantamento. A sacralidade é um presente do amor, no presente renovado de cada instante do vivido.

Abraços   ****

Vivi

 

ESTAR PRESENTE

“Estar presente a si mesmo e aos outros.” Plotino  Estar presente no presente de cada momento no viver e no conviver, disponibilizando-se a estar presente com os outros, com boa vontade, é uma escolha pessoal em sabedoria e maturidade. Plotino, e tantos outros filósofos, orientais como ocidentais, enfatizaram a importância para uma vida saudável, o estar presente. Uma vida filosófica ou uma filosofia vivida no cotidiano das relações, tem o poder transformador e curador para uma sociedade, como a atual, para enfrentar desafios e desencontros. As tradições religiosas, as místicas, a filosofia desde os pré socráticos, o taoismo, o budismo, o judaísmo, o cristianismo, o islamismo, todos igualmente trouxeram de forma contundente a importância de uma presença com sabedoria.

Abraços   ****

Vivi

A FILOSOFIA

Pensar a filosofia como uma atitude de acolhimento ao presente, como uma atitude de se reconhecer no presente de cada momento vivido, é uma escolha pessoal. Viver a filosofia é diferente de falar sobre a filosofia. Trazer a filosofia como uma atitude vivida e uma escolha de vida no viver cotidiano, enriquece e enobrece o pensar, o sentir e o agir filosófico. A filosofia é viva quando ela se torna uma escolha pessoal para uma vida de sabedoria. Estar no presente através de uma presença plena, é um exercício de não se deixar esmagar pelo passado, nem se deixar ser esmagado pelas preocupações com o futuro. É algo a ser cultivado por uma atitude pessoal. A filosofia é viva e sábia, quando ela se faz presente como atitude e escolha pessoal para um viver consciente.

Abraços   ****

Vivi

O  INCERTO

Certezas trazem seguranças, afastam ameaças e de alguma maneira pressupõe confiança. Contudo, o que realmente pode ser referência de certezas em tempos de tantas mutações?  Além do mais, se tudo que vive é dinâmico e se transforma, a impermanência é uma constante. A razão precisa de certezas, mas, as mudanças sempre estão em cena. Enquanto a lógica da razão tende a modelos de  previsibilidades,  as emoções, as sensações e até os pensamentos são passageiros, fugazes e mutantes.  A natureza viva , os organismos vivos mudam, se adaptam, se transformam conforme as contingências do meio. Embora que, o vivo tenha o seu “projeto”, consta desta organização as mudanças e com elas a incerteza. A mente racional e racionalizante, planejada e controladora, encontra dificuldade em lidar com o incerto. A impermanência e as mutações estão sempre colocando desafios para uma mente que se pauta exclusivamente pelas certezas. Considerar o incerto é fundamental para compreender os organismos vivos, sobretudo em tempos onde as mudanças passam a ser a constante, os contornos se mostram caóticos e o futuro é incerto. Compreender estes cenários com clareza e discernimento, pode facilitar a convivência consigo mesmo e com o mundo e ainda, o auto manejo com os  sentimentos, os pensamentos e as sensações que estão e sempre estiveram, em constante mutação.

Abraços   ****

Vivi

 

 

SIMPLESMENTE  ACOLHER …

Os pensamentos como as sensações estão em permanente mudança. Pensamentos, os mais variados entram e saem na mente. Produzindo sensações, os pensamentos se encadeiam associando-se a outros pensamentos que geram outras sensações. Assim é a mente humana. Sem silêncio da pausa, no geral, as pessoas nem percebem este fluxo constante de pensamentos e sensações. Pensamentos constroem narrativas que,  de acordo com as experiências pessoais, estilos de vida e visões de mundo, estão inseridos em contextos que por sua vez, alimentam histórias e mais histórias na mente, com tanta “força” que a pessoa passa a acreditar como sendo verdade. Contudo, pensamento é só pensamento não é realidade. A compreensão de que pensamento não é evento, é fundamental para simplesmente acolher estes processos e simplesmente deixa-los ir, deixar passar. Fique atento!

Abraços  ****

Vivi

 

LIDERAR  TAMBÉM  SE  APRENDE

A complexidade da vida moderna pede líderes conscientes. Pessoas com visão ampliada, com presença realmente no presente, com abertura e disponibilidade para o novo e o criativo, com habilidades adaptativas e atenção focada. Embora que, de alguma forma todas as pessoas sejam líderes em potencial, a liderança é uma habilidade peculiar para algumas pessoas. Contudo, ser um líder consciente é saber compartilhar e ouvir. Liderar por medo ou controle, não é liderar, é subjugar. O líder consciente de uma presença reconhece o preço e as consequências  da multitarefa, sabe distinguir uma atenção focada de uma atenção parcial e contínua. Quando a atenção se dispersa em multitarefas, ela se agita e se distrai comprometendo as competências pessoais e do grupo. O líder consciente reconhece os efeitos que sua liderança exerce sobre todos os liderados, trazendo-os ao compartilhamento amistoso e cordial. Uma liderança consciente de uma presença qualificada, pode oferecer o real sentido à vida de todas as pessoas.

Abraços   ****

Vivi