CONSCIÊNCIA E PROTAGONISMO

Estar consciente de si e ser consciente si mesmo, reconhecer pensamentos e emoções, tem sido apontado pelos pesquisadores em saúde integral como um estado fundamental para a preservação do bem-estar e de um estado mais favorável à paz interior. Quanto maior é a proximidade consciente e intencional de uma escuta do corpo, de uma observação refinada dos pensamentos, maior será a possibilidade de aprender sobre si mesmo, atuar nas respostas somáticas e fazer escolhas com clareza para uma vida saudável. Aprender sobre si, atuar e fazer escolhas conscientes, permite que uma pessoa seja protagonista de si mesma. Escutar o corpo e observar os pensamentos não significa julgar, reprimir, restringir mas, transformar, adaptar, conectar-se, para manter um equilíbrio dinâmico e saudável. Corpo, gesto, postura, pensamentos, vozes internas, emoções e sentimentos, são expressões do vivo que podem ser transformadas quando surge o “sujeito de si”, quando uma pessoa é consciente de si mesma, com a intenção de restabelecer e/ou manter um equilíbrio salutar em seu viver e conviver. Ser consciente de si e ser protagonista de si, em relação à própria vida em seus diversos contextos relacionais, são atitudes que fazem toda a diferença para uma vida saudável, plena e realizada.

Abraços   ****

Vivi

DO  IMPENSÁVEL  PARA   O  POSSÍVEL

Tudo que um dia foi impensável, um dia pode ser absolutamente possível, afinal, tudo é uma questão de oportunidade. Tudo que vive tem seu tempo próprio de maturação. O fato de algo hoje ser inviável ou impensável,  amanhã outros espaços se abrem e oportunizam a sua realização. Nunca diga nunca! Acreditar no potencial da vida, no potencial transformador da vida é fundamental para a auto realização, para a maturidade, para o autoconhecimento. Conhecer a si próprio é também saber se manejar no tempo e nos espaços do viver. É saber reconhecer as oportunidades, as possibilidades que a vida oferece a cada momento e a cada fase do viver. O impensável poder ser o possível, tanto para o bem como para o mal. Culturas podem avançar, mas, em algum momento podem retroagir para ganhar um novo impulso e se transformar criando oportunidades jamais pensadas, talvez sonhadas. Sonhar é preciso, como acreditar na vida e na potência transformadora da vida. Não significa achar que o bem vence o mal, mas, acreditar que a vida e toda a sua potência sempre está à disposição. Valorizar e acreditar, almejar e tranquilizar, o novo sempre está por vir no tempo e no espaço.

Abraços   ****

Vivi

DA VIOLÊNCIA PARA A CONVIVÊNCIA

Quando pensamos em relações salutares, em saúde pessoal e coletiva, em felicidade e bem-estar, é fundamental considerar todas as faces e as interfaces que se articulam conjuntamente para construir, sustentar e manter um sistema vivo em equilíbrio. Quando um sistema perde a sua autorregulação, ele entra na desconexão com todas as partes que o compõe, momento em que as informações, que deveriam circular adequadamente são interrompidas ou fracassam. Pensando em convivência, esta perde seu potencial conectivo quando o fluxo relacional não consegue ser sustentado, sejam nas relações mais próximas ou mais distantes. Os seres vivos, dentro de seus sistemas vivos, existem e coexistem na rede integrada do organismo vivo que é a vida. Viver e conviver, é a razão da existência da vida e de todos os seres vivos, inclusive os animais humanos. É na relação integrada e interdependente com o outro, com os outros, com o meio, com a natureza, com a espécie, com a cultura, com os modos de ser e estar neste mundo que nós, seres humanos e pessoas humanas nos construímos, crescemos e desenvolvemos. Quando os elos conectivos que nutrem todas as relações de convivência humana se esfacelam, a resposta inevitável deste organismo vivo é a violência. Quando a convivência se desconecta, a violência ganha força. Para alimentar a rede de forma saudável, é necessário um esforço conjunto entre todos os elementos constituintes desta rede orgânica. Quanto mais violência, mais violência, mais desequilíbrio e menos convivência. Quanto mais convivência equilibrada, mais reconhecimento e mais conexão, maiores as possibilidades de bem-estar-bem, pessoal e social.

Abraços    ****

Vivi

 

O  QUE  TE  FAZ  MELHOR ?

O que significa ser melhor? Melhor em relação a quê? Quando aparece a pergunta: “o que te faz melhor?”, o que isto significa? Ser, um ser humano melhor, mais pleno e mais realizado, diz respeito à face mais  luminosa do humano. Não se trata de competência profissional, habilidades e talentos artísticos, manejos nos relacionamentos, capacidade de falar em público … mas, as qualidades e instâncias de uma pessoa humana diante de sua humanidade, diante de  todas as outras pessoas com quem vive e convive e diante da vida e com a vida  em sua plenitude. O sábio em toda a sua genuína sabedoria, diria: “o que te faz melhor é o que te torna mais compassivo, mais humano, mais responsável, mais desapegado, mais amoroso.” Seja melhor , procure ser este  “melhor”  onde estiver, momento a momento, dedicando-se, aprendendo, construindo e reconstruindo a si mesmo, afinal, todo o potencial já foi dado pela vida é preciso apenas acioná-lo e vive-lo.

Abraços ****

Vivi

ONDE  ESTÁ  O  MAL ?

“ O mal não é o que as pessoas fazem, o mal é o que as boas pessoas não evitam que aconteça.”  A omissão é também uma forma de estimular a violência. Sabemos que a violência não se resolve com violência, pois irá gerar mais violência, através dos ressentimentos, da vingança, da retaliação e de todo um conjunto de desordens evidentes no cotidiano. Se cada pessoa humana, pudesse de forma consciente, evitar que a maldade se expresse,  já teríamos um grande avanço em relação à uma convivência mais equilibrada. Agir de forma ética consigo e com o mundo, no cotidiano do viver, é optar por não deixar que o mal se concretize. Portanto, esteja atento para ser um verdadeiro guardião do bem, do belo, da bondade e da justiça.

Abraços   ****

Vivi

 

CONEXÃO – DESCONEXÃO

O ser humano é uma animal social! Esta afirmação nos acompanha por toda a história da filosofia, da psicologia, das ciências biológicas, da etologia. Nosso desenvolvimento psicofísico e relacional  depende da nossa capacidade de conexão consigo mesmo, com os nossos cuidadores, com os outros, com o meio natural e social, incluindo os ambientes por onde transitamos. Quanto maior for a nossa capacidade de conexão, afirmam os estudiosos, maior é a probabilidade de mantermos um estado saudável,físico, psíquico e espiritual. Por outro lado, a origem de muitas das nossas afecções está diretamente relacionada com a desconexão entre os sistemas vivos. Quando perdemos a “inteireza” e nos reduzimos a partes isoladas, temos maior propensão às doenças, comprometendo a nossa saúde e bem-estar.  Estas conclusões estão diretamente relacionadas à uma perspectiva sistêmica onde todos os componentes de um sistema vivo, estão completamente inter-relacionados e integrados. Fato é que, o humano, como um sistema vivo, depende de suas conexões com todos os organismos vivos, incluindo as trocas informacionais e sobretudo os afetos e os vínculos conectivos que ele estabelece ao longo de toda a sua existência.

Abraços   ****

Vivi

O TOQUE QUE FAZ A DIFERENÇA

O toque físico, o contato de um carinho, de um abraço, de um aperto mão, de uma proximidade carinhosa e sincera de uma pessoa com outra, faz toda a diferença em todas as relações humanas. Somos humanos, somos animais afetuosos e nosso bem-estar físico e psicológico dependem de um contato afetuoso. “O toque físico é uma das formas mais básicas de conexão humana.” Jon Kabat-Zinn  Um aperto de mãos, um abraço, são rituais simbólicos que comunicam a abertura e a disponibilidade para uma conexão entre pessoas. São gestos de reconhecimento que aproximam pessoas e abrem oportunidades para vínculos afetivos. Através de um toque as pessoas comunicam seus sentimentos. Quanto mais atenção e qualidade na presença sincera no momento do encontro afetuoso de um toque, maior será a  possibilidade de se  transcender as formalidades relacionais viabilizando aberturas para os espaços de conectividade mais profundas. São os verdadeiros canais de reconhecimento mútuo e expressão de sentimentos autênticos. São momentos inspiradores e facilitadores de vínculos afetivos altamente benéficos à saúde e ao bem-estar.

Abraços   ****

Vivi

AMIGO  DA  INCERTEZA

A incerteza faz parte do fluxo da vida. Contudo, reconhece-la e saber lidar com ela diante de uma cultura marcada por certezas e determinações, não parece ser tão simples assim. Fomos treinados a ter metas e previsões controladas por tabelas estatísticas, que contemplam as probabilidades, mas, tendemos a nos fixarmos nas garantias.  Queremos garantias de coisas, planos, relacionamentos, pessoas, afetos,  títulos e conhecimentos mas, a incerteza está sempre presente. Quando compreendemos que a incerteza é inerente à dinâmica da vida, temos a possibilidade de melhor nos adequarmos a ela, evitando frustrações, projeções, fantasias e idealizações. Estabelecer uma amizade com a incerteza, é incluir mudanças e transformações, é alimentar a criatividade, é reconhecer e pulsar com a potência da vida. Isto não significa abandonar limites, compromissos, fronteiras e até os números e quantificações, mas, é ter a sabedoria de se relacionar com a intuição, com o criativo, com a coragem de inovar e arriscar, com a coragem de apostar e acreditar e ainda considerar e incluir a arte de viver.

Abraços   ****

Vivi

NEM  CÁ  NEM  LÁ …

A fuga do momento presente pelo excessivo estado de divagação de uma mente, afeta as decisões e as ações de uma pessoa. A inconsciência obstrui o contato de uma pessoa com seu próprio corpo, seus sinais, suas mensagens. Para estar consciente no viver é necessário estar no estado de atenção. A dispersão de uma mente que não está nem cá nem lá, ou seja, não está no presente de seu viver, é uma mente dominada pela inconsciência.  Há pessoas tão agitadas e ansiosas, que não conseguem silenciar nem acalmar as suas incontáveis vozes internas, porque não se dão conta deste estado doentio.  Estas,  acabam por viverem num estado crônico de inconsciência. Ao perderem a possibilidade de conexão com o belo e o significativo do viver, elas se tornam infelizes, buscando fora de si mesmas soluções para satisfazer suas insatisfações permanentes. O estado de gangorra, nem cá nem lá, é um estado de permanente estresse. Onde está o prazer desta gangorra?

Abraços   ****

Vivi

UMA GRANDE VIRADA

Estamos em tempos de grandes e intensas transformações. Embora que, possa até não ser tão claramente perceptível, nós, comunidade humana, cidadãos deste planeta Terra, vivendo a Vida com a Vida, estamos em transformações. Estamos na Grande Virada do Ser, como dizem alguns pensadores. O modelo de consumo desmedido, capitalizado e militarizado, do medo, do controle, da exploração, da espoliação, da dominação e subjugação da vida, da pessoa humana e da natureza, não tem mais sustentabilidade nem razão de ser. É um modelo esgotado. Embora que, ainda este modelo “lute” intensamente para continuar, há uma “luta” maior, há uma imensa disponibilidade e determinação de inúmeros grupos espalhados por todos os continentes atuando diuturnamente para a transformação desta história e construção de uma história de proteção, respeito e preservação da vida. São pessoas que se lançam em ações protetivas da vida através dos mais variados caminhos. São os caminhos da Vida, de uma história que começou há 14 bilhões de anos, registrada em todos os corpos e em todas as consciências, trazendo a autoridade da própria Vida. Uma história de uma rede conectiva e integrada, cuja força impulsiona na direção da preservação e proteção da Vida. É ela, a Vida, que pede passagem, que pede a honradez, que pede a dignidade através dos incontáveis movimentos e ações sociais de preservação da harmonia das relações de convivência nas ações de Cultura de Paz, de resignificação da Justiça, de resolução de conflitos, dos movimentos ecologistas de preservação do meio ambiente, de preservação das espécies, das culturas e das línguas e tantos outros. A Grande Virada histórica já começou dentro da intimidade mais profunda da consciência da pessoa humana, seguindo através das futuras gerações, que certamente irão olhar para estes tempos como tempos de Grande Virada da Humanidade.

Abraços   ****

Vivi