NA MEDIDA CERTA

Se a vida é equilíbrio, quem desconhece a necessidade da moderação?  Quem, em algum momento de descuido, já experimentou a desmedida e suas nefastas consequências? Manter a medida certa em todas as coisas, faz parte dos ensinamentos da antiga filosofia e das tradições religiosas. A medida certa entre o mais e o menos, entre excesso e a carência, são os pressupostos para uma vida feliz, saudável, equilibrada. São Bento em suas regras para uma vida monástica, apresentou os princípios de equilíbrio que se constituem na alternância entre a atividade e a passividade, o trabalho e a oração, o usufruto e a renúncia, o falar e o calar, o isolamento e a sociabilidade. Porém , tudo na medida certa, sendo esta a virtude mais importante.

Abraços    ****

Vivi

 

DEIXAR SÓ SER

Quando idealizamos algo, criamos expectativas que de maneira  geral nos trazem decepções e frustrações simplesmente porque são apenas idealizações, que não condizem com a realidade.  As ideias portadoras de ideologias que no mais das vezes nem sabemos de onde emergem, criam no cenário mental uma sequência de pensamentos que se desencadeiam aleatoriamente causando insatisfação e desassossego. A ideologia do crescimento sem limite por exemplo, nos leva a acreditar que até no âmbito da espiritualidade cabe a contabilização. Impossível! O nosso interior, a nossa interioridade deve ser preservada portanto, toda atenção é necessária. É no espaço da liberdade que o mais profundo nosso ser pode “ser” essencialmente a sua sacralidade, no seu tempo e no seu ritmo. Deixar só ser! Deixar-se apenas “ser”, soltando-se das ilusões e idealizações que nos afastam da nossa maior dádiva: SER a nossa verdadeira essência divina!

Abraços   ****

Vivi

QUERER, TER E FAZER

Três verbos que se não tivermos muita atenção penetram em nossa vida e somos capazes de gastar uma quantidade incrível de energia só em função deles. Acontece que, neste cenário acabamos esquecendo que para funda o fundamental é SER, pois o ter passa e se desgasta com o tempo, o querer também muda de direção na dinâmica da vida e o fazer por fazer, o fazer meramente repetitivo se desgasta também, perde foça viva. Ser é Ser potente, é estar em consonância com a riqueza e a plenitude da vida, senão caímos nas armadilhas de um ego egoísta e vendido para os “marketings” consumistas, materialistas, individualistas, imediatistas, funcionalistas, utilitaristas e miseráveis.

Abraços   ****

Vivi

MOTIVAR E HABITUAR

Quando se fala em motivação a pergunta sempre vem: o que me motiva? O que me mobiliza, o que me move na vida? Nossas escolhas revelam os valores que pautam o nosso viver cotidiano. O pensar, o sentir, o agir estão diretamente relacionados com aquilo que valorizamos e nos encantamos. Será que temos clareza e podemos distinguir o significado do que seja: valor, desejo, interesse e necessidade? Os valores dão sentido e significado à nossa vida, à nossa existência e portanto, são absolutamente impossíveis de serem negligenciados. Eles tem um custo mas, não tem um preço. Há um custo, um esforço, uma dedicada atenção para sustentarmos em cada escolha os valores que pautam uma vida de honestidade, de respeito, de responsabilidade, de cooperação, de solicitude … O desejo tem uma face sadia vinculada à vontade de seguir uma vida de sentido e significado, uma vida de realização para mim e para todos à minha volta, incluindo tudo que vive, pessoas, animais, plantas, todas as expressões da vida na natureza, no planeta no cosmo. Mas o desejo tem uma face um tanto perversa de auto satisfação egoísta, vinculado ao prazer imediato e individualista. Aqui o desejo não compartilha nem considera o outro, nem o mundo, nem a natureza viva. Os interesses pautados por uma clareza de intenção em compartilhar e preservar a vida e o bem comum, revelam a sua face luminosa mas, quando ele se torna egoísta, vaidoso, excludente, cínico, ele revela toda a sua perversidade e violência, pois gera a maldade e destrói a vida, tanto material, como moral e espiritual. As necessidades básicas da vida, as necessidades de sobrevivência quando atendidas com moderação e atenção, geram satisfação e sustentam a vida e o viver. As necessidades de alimentação, sono, higiene, proteção, aconchego, reconhecimento, pertencimento, amorosidade, inclusão, favorecem a vida, as relações, o bem comum. Ao fazermos uma escolha, seja ela qual for, talvez se tivéssemos a clareza para distinguir o que fundamenta nossas escolhas, poderíamos encontrar maior satisfação para viver uma vida plena e realizada em todas as instâncias da pessoa humana e em todas as suas relações. Uma boa motivação sempre ativa e faz emergir a criatividade e o novo, o mais bonito e o mais belo em nós,em nossos corpos, em nossa consciência, em nossa existência. Quando os hábitos se distanciam das boas intenções e os automatismos tomam contam e se rigidificam em discursos perversos, egoístas, preguiçosos e cínicos, toda a rede humana da vida fica comprometida. Então, o que me motiva na vida???

Abraços   ****

Vivi

SEMPRE A MESMA LUA

O espírito da sabedoria da alma humana, é como a lua que brilha igualmente em todos os lagos. É sempre a mesma lua, embora possa se mostrar diferente em diferentes formas, mas sempre será a mesma lua a irradiar a sua luminosidade. Assim também é o espírito da alma humana, sempre está lá, porque sempre esteve, brilhando e irradiando a sua Luz. Em cada encontro, em cada relacionamento, em cada olhar, a Luz pode resplandecer com todo o seu encantamento mas, é preciso que estejamos prontos e atentos para reconhecer a sua luminosidade. “Uma lua brilha em todo lago. Em todo lago aquela mesma Lua.”  Soiku Shigematsu

Abraços   ****

Vivi

SER MESTRE

 Ser mestre de si mesmo é saber lidar com as dificuldades, os erros, as angústias, os dilemas que surgem ao longo do viver e conviver. Reconhecer-se não é uma tarefa fácil mas, é o caminho para a transformação. Não somos seres perfeitos, mesmo porque, o que seria o ser humano perfeito? O que é verdadeiramente a perfeição? Talvez o esforço, a clareza dos propósitos, a dedicação, a determinação para uma reta conduta,  sejam essenciais para uma vida de aprimoramento. Nós humanos, na dinâmica da vida e do viver, estamos todos em processo, em constante construção de si mesmo na dignidade e valorização da vida em nossos corpos e no mundo. É pela consciência que temos a chance da maturidade. È no reconhecimento honesto de si mesmo, com boa vontade, que podemos nos aproximar  do mestre que habita em nosso coração. “Ser mestre tem a ver com o modo como se lida com os próprios erros.” Shunryu Suzuki Rôshi

Abraços    ****

Vivi

RECONCILIAR FAZ BEM

Com toda a sua sabedoria, Victor Hugo afirmava: “O tempo não só cura, mas também reconcilia.”  A dedicação ao cuidado com o outro, com a natureza, com as coisas e relações, depende do saber cuidar-se. Só quem sabe cuidar de si e se respeitar é capaz, de cuidar do outro e respeita-lo. O cuidado é filho do tempo. A sabedoria da pausa oferece o tempo para a reconciliação, o tempo para o perdão, o tempo para a compreensão, o tempo para a autoconfiança e empoderamento, o tempo para a cura e transformação. Saber cuidar, é saber reconhecer que o maior bem está na sabedoria da reconciliação consigo, com o outro, com a natureza, com o mundo. O bem da reconciliação é o bem da cura, o bem do espírito da fraterna amorosidade, que dignifica e engrandece a pessoa humana em toda a sua humanidade e com toda a humanidade, em nossa casa comum.

Abraços    ****

Vivi

ESTRATÉGIAS DA LENTIDÃO

Onde nós humanos queremos chegar com tanta pressa e aceleração?  A velocidade e as urgências a cada dia tomam conta de nossas vidas fazendo do nosso cotidiano um tempo sem tempo, gerando as mais diversas disfunções, do corpo à mente, do indivíduo ao coletivo. Acelerando adoecemos. Irritabilidade, ansiedade, frustração, depressão, medo, hostilidade, insônias, agitação,enxaqueca, impaciência, insatisfação, são apenas alguns dos sintomas e afecções de uma patologia que se espalha, “viraliza”, penetra e compromete nossas relações. Parece que não sabemos mais como conviver. Onde realmente queremos chegar com esta forma de ser e estar neste mundo? Correndo para onde e para quê? Será que em meio a este cenário é possível encontrar um espaço para pensar sobre as estratégias da lentidão? Seria possível pensar que “mais é menos”? Mesmo no turbilhão da auto exigência é possível encontrar alguns espaços para refletir, meditar,  respirar e silenciar? Lentificar é curar, é cuidar, é respeitar.

Abraços   ****

Vivi

VEJO O MUNDO COMO SOU …

 O mundo é como um espelho da pessoa humana. Como “eu” vejo o mundo é um reflexo de como “eu” sou. O filósofo Lorenz Marti em suas reflexões sugere que  “Do mesmo modo com que vou ao encontro do mundo, o mundo vem ao meu encontro… Quando aponto para fora e falo sobre as muitas coisas à minha volta, também estou apontando para mim e dizendo muita coisa sobre mim.”  A realidade que uma pessoa possa definir para si é sempre uma ideia de realidade e não a realidade em si. Vemos o mundo conforme vemos a nós mesmos, projetando no mundo externo as formas como nos vemos e nos sentimos no mundo interno. Mestre Eckhart, com toda a sua sabedoria afirma com total clareza : ” Quem estiver bem consigo mesmo, estará bem em todos os lugares e junto a todas as pessoas. Mas quem não estiver bem, não estará bem em nenhum lugar e junto a nenhuma pessoa.”

Abraços   ****

Vivi

O PENSAMENTO E O VENTO

Em algum momento alguém pergunta: é possível parar de pensar?  Como interromper os pensamentos que não nos deixam em paz e roubam a nossa tranquilidade? A resposta sempre será uma só: é impossível interromper os pensamentos assim como é impossível bloquear os ventos. Da mesma forma que não conseguiremos bloquear os ventos com um manto, também não conseguiremos impedir que os pensamentos deixem de chegar em nossa mente. A tarefa para aquele que quer se reconhecer é, não brigar nem evitar os pensamentos mas, deixar de segurá-los,  deixar que eles me dominem! O problema não são os pensamentos mas, a falta de distância que posso manter de meus pensamentos. Ao invés de me deixar ser levado pelos pensamentos, pensando e pensando os pensamentos, o desafio para uma mente que se propõe a seguir pelo caminho do auto conhecimento é, deixar de se manter aprisionada a eles. Os pensamentos nos afastam do momento presente. Quando me mantenho presa aos pensamentos estou sempre nas projeções do futuro ou nas recorrências do passado. Deixe os pensamentos passarem, assim como o vento que sopra.  Mantenha-se no presente, mantenha sua mente com alegria apenas no momento presente. Reconheça o vento mas, não se vá com ele. Reconheça os pensamentos mas, não se vá com eles.

Abraços    ****

Vivi