O TEMPO

“O tempo é uma flauta no coração da qual o murmúrio das horas se transforma em música.” Khalil Gibran  O tempo como a água se movem e passam de uma forma em que não podemos impedir. O tempo passa rapidamente, independente da nossa vontade e a água não há como impedi-la de escorrer entre os dedos das nossas mãos. Tomar consciência do valor do tempo em nossa vida, é semelhante a tomar consciência do que verdadeiramente tem importância em nossa existência. Para começar uma transformação, uma mudança pessoal, uma mudança interior, o melhor começo é o “agora”. Procrastinar é deixar-se levar pelos murmúrios de uma mente agitada e ansiosa que impedem a nossa real felicidade. A vida se eterniza em cada presente e é no presente de cada momento que o valor da vida acontece. Uma consciência desperta pode viver o encantamento da alma na eternidade de um presente.

Abraços    ****

Vivi

UM CAMINHO SEM TURISMO …

Em tempos de agitação e grande insegurança, onde tudo parece desprovido de orientação, todo cuidado é pouco. Na busca por direção e significado em nossa vida, facilmente  podemos cair no “turismo espiritual”. Esta é uma modalidade turística em que se “viaja” freneticamente a procura de certezas que jamais serão encontradas, aumentando ainda mais a insegurança e a desconfiança sobretudo, pela perda da autoconfiança que resta. Biologicamente como humanos, já viemos equipados dos dispositivos para a sustentação da vida. Nossa fisiologia sabe perfeitamente como coordenar metabolismos, movimentos, pulsos, ritmos para manter o organismo vivo. Quanto às emoções, se não houver um sujeito consciente de si, ele será capturado pelos impulsos emocionais podendo causar danos à sua própria vida e a de muitos outros. No plano do mais sútil, dos sentimentos mais profundos e íntimos do humano no que tange à sua vida espiritual, é necessário muito mais atenção e consciência de si. Em tempos conturbados, onde tudo é consumo e o valor do dinheiro é o que fala mais alto, oferecendo satisfação a qualquer preço, onde o “ter” é mais valorizado que o “ser”, cair no “turismo espiritual” é muito fácil. Portanto, atenção! Buscar um caminho interior, alimentar a nossa sagrada espiritualidade é fundamental para a saúde da vida humana mas, cuidado com os falsos mestres… Escolher um caminho de benevolência, praticando a benevolência, o amor altruísta, a compaixão, já é em si mesma uma prece diária. É uma prece em que momento a momento, a alma no seu mais sublime se conecta com o dom maior e mais sagrado de si.

Abraços    ****

Vivi

 

UM MICROSSEGUNDO …

Quando o tema é liberdade, sempre aparecem aquelas pessoas que dizem: “liberdade para mim é fazer e dizer o que bem quero.” Mas será mesmo que isto é liberdade ou é libertinagem? Será que é liberdade ou egoísmo infantil e inconsequente? Se vivemos e convivemos juntos com os outros e na natureza, em que dependemos uns dos outros, não há como se furtar da responsabilidade com as consequências que recaem sobre as escolhas que fazemos. O grande desafio é estar presente em si mesmo, para saber escolher naquela fração de segundo em que uma emoção perturbadora se manifesta. Sempre haverá um microssegundo em que é possível a escolha, caso contrário, tudo se encadeia e se desencadeia. É incrível como um minuto de desatenção pode determinar e comprometer uma vida. Um segundo de raiva, de pulsão sexual, de angústia, de ânsia pelo dinheiro ou até mesmo pela força de uma opinião alheia, pode estragar uma vida, um relacionamento para o resto da vida. Estar atento e vigilante para localizar e vigiar os pontos vulneráveis do nosso ser é fundamental e ainda, aprender quais são os mecanismos que reduzem a nossa energia e colocam nossa vida em risco. Portanto, a liberdade consiste em identificar os determinismos e influências que pesam sobre nossas escolhas e opiniões e se necessário, revê-las, questioná-las, revisitá-las. A liberdade é um despertar para a atenção na preservação dos valores da vida. Saber quais são os valores que protegem e qualificam o nosso viver em comunidade é, a cada segundo fundamental para a nossa felicidade e o bem-estar, de si e de todos e todas.Não há como ser feliz sózinho.  A liberdade comporta limites e a paz só é verdadeira se for para todos, pois não há paz só para alguns.

Abraços    ****

Vivi

PERDOAR – VOCÊ É CAPAZ ?

Embora que, as tradições de fé apresentem a importância do perdão e que muito se fale sobre esta atitude em discursos e “sermões” nos mais diversos púlpitos, perdoar verdadeiramente nem sempre é o que acontece nas relações humanas diante das ofensas. Saber pedir perdão e perdoar, são atitudes que envolvem  uma diversidade de sentimentos, incluindo a culpa, a vergonha, os ressentimentos. Perdoar está vinculado ao sentimento de justiça como também, diretamente ligado ao sentimento de humildade  e coragem.  “Perdoar é renunciar ao ódio e ao ressentimento para substituí-los  pela benevolência e pela compaixão. É romper o ciclo da vingança. Essa abordagem tem um efeito libertador, porque esses sentimentos nos envenenam e acabam por nos destruir.” Matthieu Ricard

Abraços ****

Vivi

BONDADE ORIGINAL

Onde está o cerne da fonte infinita? Onde está a instância que possibilita devolver a pureza da vida, a ternura, a calidez, a benevolência, o perdão? Onde está a dimensão de uma consciência que traz em si mesma a capacidade de compreender e fazer brotar a compaixão? Onde está a bondade original? As tradições espirituais, cada uma com a sua linguagem, oferece à pessoa humana  um caminho para acessar o âmago mais profundo e mais íntimo da consciência humana, onde jorra a fonte da Bondade Original. Cada uma delas com diligência, oferece um convite para o acesso a este estado interior de beatitude, disponível a todos que queiram encontrar a alegria da liberdade. Lembrando Thoreau – “Simplificar, Simplificar, Simplificar”. Simplificar nossos pensamentos, nossas palavras, nossos atos e tornar disponível os espaços para a alegria e a paz interior. É na simplicidade e no silêncio, que a Bondade Original pode ser sentida e vivida em sua magnitude.

Abraços    ****

Vivi

UMA SOCIEDADE DOENTIA

Em meio a tantas turbulências, tantos desencontros, tantos paradoxos, incompatibilidades, confrontos e enfrentamentos, a desorientação, a fúria raivosa como o desprezo de um falso isolamento, emergem gerando mais insalubridades sociais que agravam a situação a qual todos nós nos encontramos neste contemporâneo. Como romper o ciclo do ódio? Como contribuir para sanar uma sociedade doentia? Como não ser cúmplice de uma violência quando evito interferir, evito intervir permitindo que a violência se alastre?  ” Uma sociedade doentia, tomada por uma fúria cega contra parte da humanidade, não passa de um conjunto de indivíduos alienados pela ignorância e pelo ódio. Contemplar o horror das atrocidades cometidas por alguns deveria reforçar nossa compaixão e não atiçar nosso ressentimento.”  Com esta afirmação Matthieu Ricard nos convida a refletir e agir. Um convite explícito para ver a realidade dos fatos, dos acontecimentos e assumir a responsabilidade que nos cabe, uma responsabilidade que é de todos e de cada um. Estamos diante de uma verdadeira sociopatia que tem contaminado nossos corpos, nossa mente, nossas relações, nosso meio ambiente, onde todos estão adoecendo. Se não nos dispusermos a querer ver esta realidade e tomar um posicionamento, seremos ainda mais contaminados. Então, o que quero “eu” para minha vida? Quero “fazer de conta” que nada está acontecendo e permanecer na ignorância alienante deixando que “eu” acumule ressentimentos ou, decido abrir minha percepção e a partir de mim mesmo, e com quem estiver a meu lado, começar agora a praticar uma atitude mais conciliadora, mais solidária e compassiva? O destino de “minha” vida quem faz sou eu e ninguém mais!

Abraços   ****

Vivi

CORTEJO DOS VENENOS

O caminho do desenvolvimento e aprimoramento pessoal é tarefa para uma existência, onde dia a dia, momento a momento, necessita ser lembrado na dedicação da atenção a cada gesto, a cada pensamento e palavra, em cada escolha e atitude. A boa intenção e os bons propósitos a uma reta conduta autodeliberada, tende a seguir avançando e progredindo. Contudo, é importante estar muito atento ao cortejo dos venenos da mente que nos traem. A culpa, os ressentimentos, os rancores, a vergonha, as retaliações e tantas e tantas ruminações mentais, são imensos obstáculos  que impedem o avanço a uma vida com dignidade. Libertar-se do cortejo dos venenos mentais também é tarefa para uma existência, considerando que o meio ambiente e a cultura muitas vezes favorecem as ruminações mentais que geram mais confusão e nos fazem perder o discernimento. Estar atento a eles, para discernir os diferentes estados mentais é fundamental. Poder distinguir entre a culpa e o arrependimento, entre o fracasso e a vergonha, para com clareza e dignidade, encontrar os caminhos luminosos que conduzem ao potencial de perfeição que já existe em cada ser humano, vem a ser a grande tarefa para uma consciência ao longo de uma vida. Este é o caminho que segue na direção da liberdade. É o caminho que aponta a necessidade da atenção para reconhecer, e não se deixar contaminar pelo cortejo dos venenos em nossa alma.

Abraços    ****

Vivi

BENS MAIS PRECIOSOS

Em algum momento da nossa vida é possível que uma pergunta apareça: quais são os bens mais preciosos da minha existência? O que em minha vida é fonte de satisfação profunda, do que é somente fonte de problemas? Quando nos dispomos a pausar, a silenciar e a refletir com honestidade sobre o valor da nossa vida, sobre o valor da nossa existência, é possível ver com grande clareza a preciosidade do nosso tempo, da nossa energia, da nossa saúde e da nossa própria vida. Viver em si mesmo já é uma grande dádiva. Valorizar o nosso tempo, a nossa energia, cuidar da nossa saúde em todos os seus aspectos para viver, a integridade e a  preciosidade da nossa vida, requer uma consciência que se coloca no despojamento das inutilidades associada a tudo que é supérfluo. Então, o que é supérfluo em minha vida? Qual é o valor da minha paz interior? Verdadeiramente, preservar a minha paz interior, em qualquer cisrcunstância da minha vida, é possível? Há que silenciar a mente e simplesmente poder ouvir o coração.

Abraços    ****

Vivi

LÍDERES E LÍDERES

Quando se fala em liderança é fundamental ter clareza de que liderança se está falando. Um líder transformador, um líder servidor, é completamente diferente de um líder  político ou  empresarial e a diferença está nos propósitos.  São os propósitos que definem um líder e sua liderança, definem a pessoa que exerce aquela liderança. Um líder transformador, um líder servidor, aponta caminhos para uma nova realidade, para uma nova consciência, para uma nova percepção da realidade e o exercício da sua liderança é totalmente compartilhado. È uma liderança alicerçada no bem comum, na solidariedade, no amor altruísta, na benevolência, no respeito mútuo, na reciprocidade, na responsabilidade de todos, no diálogo, na escuta, na legitimidade do potencial da vida. A liderança transformadora e  servidora, se fundamenta na ética. Com firmeza e leveza, com clareza de princípios onde a verdade caminha com a gentileza e com a honestidade, onde as estratégias da lentidão incluem a paciência, a tolerância e a boa vontade para uma compreensão contextualizada, o líder transformador edifica a sua liderança e constrói ações edificantes e dignificantes da vida humana.

Abraços    ****

Vivi

O SOL É O SOL

“Se dez pessoas tomarem sol e mil outras vierem se esquentar no mesmo lugar, o sol não vai precisar brilhar cem vezes mais.” Com esta metáfora Matthieu Ricard , sabiamente enfatiza que o nosso altruísmo não se esgota com a quantidade de pessoas que recebem a nossa colaboração. Certamente não conseguiremos alimentar ou cuidar de todas as pessoas neste planeta mas, a nossa intenção pode se estender para todas elas. Quanto mais possamos ser benevolentes, compreensivos, generosos no pensar, no sentir e no agir mais cresce em nosso coração a bondade, a benevolência e a própria capacidade de compreender a si mesmo e ao outro. A capacidade de amar do humano é imensa, ela não se esgota, muito pelo contrário, quanto mais o amor altruísta é vivido no cotidiano de nossas vidas, mais ele se intensifica e maior será a nossa capacidade de qualificar a nossa presença no mundo.O amor e a solidariedade andam de mãos dadas. O amor dobra cada vez que o oferecemos ao outro.

Abraços    ****

Vivi