TREINAR A MENTE COM ATENÇÃO

A comunidade científica como o senso comum, já tem evidenciado a necessidade fundamental do treinamento da mente para uma atenção refinada. Uma mente refinada com capacidade atentiva aguçada,  requer treinamento. O treinamento mental não só favorece a atenção como também permite o desenvolvimento do “controle” emocional, no sentido de aprender a lidar com a avalanche das emoções para a sustentação de um estado mais equilibrado, permitindo a experiência do sentimento de paz interior, discernimento e sabedoria. Como todo treinamento, o treinamento mental também exige dedicação à manutenção de um estado de bem-estar interior pessoal e o bem-estar daqueles que estão à nossa volta, dos outros e todos os outros, com perseverança e entusiasmo. Todo ser humano já possui em sua consciência o potencial da lucidez e da presença atentiva mas, é preciso treinar, pois a corrente de pensamentos, os acontecimentos e os atravessamentos interferem no estado luminoso da mente humana. Portanto, é fundamental o treinamento. Todo aprendizado requer treinamento. Seja praticar um esporte, tocar um instrumento musical, aprender uma outra língua, como todo aprendizado é necessário dedicação e esforço ativados pela motivação. Treinar a mente além de favorecer um estado mental, emocional e cognitivo mais refinado, permite maior bem-estar-bem, saúde física, psíquica, relacional e espiritual, e ainda é o nutriente da paz interior e alegria de viver, apesar de todos os desafios e tormentas da vida humana. Vale a Pena!

Abraços    ****

Vivi

 

O PERIGO E O QUE SALVA

“Onde cresce o perigo também cresce aquilo que salva.” Holderlin  Lembrar que dentro do caos está a organização, que na desordem é possível encontrar a ordem, é algo que nem sempre chega à nossa consciência. Quanto mais somos capturados pelas emoções aflitivas,  mais distantes ficamos do discernimento. A ansiedade, a agitação, a insatisfação, obscurecem a reflexão e impedem um presença com atenção focada.  O valor da atenção, da presença, do cultivo interior  se edificam no território do discernimento. Quando há um treinamento mental é possível reconhecer que, apesar de todo o caos o equilíbrio pode retornar. Segundo o princípio da impermanência, onde tudo se modifica e o princípio da interdependência,  onde tudo está ligado a tudo,  a própria dinâmica dos organismos vivos permite a transformação natural. A dificuldade é lembrar que dentro do perigo, dos momentos mais desafiantes da nossa vida, já está inserido a mudança, a luz da orientação.

Abraços   ****

Vivi

COMPAIXÃO / AUTO COMPAIXÃO

As duas formas de compaixão precisam vir juntas: a autocompaixão, a compaixão por si mesmo e a compaixão pelos outros. Elas se complementam, se retroalimentam, por isto a importância de virem juntas. A compaixão por si mesmo permite às pessoas revoltadas consigo mesmo, que se odeiam, descubram que no mais profundo do seu ser preferem não sofrer e também buscam a felicidade. Portanto, alimentar um estado interno benevolente, sendo menos desdenhosas consigo mesmo, sendo menos intransigentes e mais cordiais consigo mesmo através do cultivo da  autocompaixão, favorece a sua saúde física e mental. Estas pessoas ao treinarem também para sentir compaixão pelos outros, incluindo-os em sua vida cotidiana, em suas preocupações diárias deixam de focalizar apenas em si mesmas para se abrirem com mais benevolência e generosidade ao mundo a seu redor. A prática da autocompaixão e da compaixão pelos outros quando praticadas  em conjunto, permitem a compreensão da interdependência de todos os seres ampliando a percepção de que, não somos os únicos a sofre com as emoções aflitivas mas que, todos queremos ser felizes, desejamos encontrar um estado de equilíbrio, de harmonia e de paz interior. Sendo assim, as duas formas de compaixão são inseparáveis. É um caminho que favorece a saída do egocentrismo, do individualismo radical, da divisão do mundo entre o ” meu lado” e o “lado do outro”. Favorece a transformação deste estado de separação que conduz ao sofrimento. O cultivo permanente da autocompaixão e da compaixão pelos outros abre os caminhos da libertação.

Abraços    ****

Vivi

ACEITAR NÃO É RESIGNAR

Diante das adversidades do viver, frente aos momentos de tormentas e dos desafios cotidianos para aqueles que precisam conviver com a angústia permanente de um sofrimento, encontrar um raio de luz de discernimento pode ajudar a suportar como também encontrar um certo conforto. Há muitas situações que nos fazem sofrer advindas de acontecimentos externos, sejam agentes da natureza ou situações causadas pelos processos políticos, sociais, relacionais, ou ainda as doenças irreversíveis. Os agentes externos interferem radicalmente nos processos pessoais de ordem interna da pessoa humana. Há também os agentes internos causados pela incompreensão, pelas angústias, pelas emoções aflitivas que impedem o discernimento. Em meio a este cenário é fundamental distinguir o que é aceitação ou adaptação do que é resignição. Para lidar com a dor, com o sofrimento é preciso clareza interior, o que nem sempre conseguimos, sobretudo quando somos acometidos por sofrimentos sobre os quais não temos como modificar. Contudo, quando conseguimos um pouco de calma interna para reconhecer os processos, há como encontrar caminhos mais acalentadores e até transformadores. Aqui é preciso primeiro ter humildade e coragem para querer ver e reconhecer até onde “eu” posso agir ou seja, é “minha” responsabilidade e até onde são sofrimentos causados por contingências sobre as quais a única alternativa é compreender a impotência humana e agir nos espaços pessoais onde podemos atuar. Aceitar e adaptar é agir, resignar é omitir.

Abraços    ****

Vivi

… UM CERTO MÉDICO

Quando os tormentos se apossam do nosso ser interior, trazendo ansiedade,  solidão e profunda desorientação, tudo o que precisamos nestes momentos, é encontrar uma pessoa que possa apontar direções no caminho da cura. A cura dos sofrimentos do corpo e da alma. Uma criatura que nos ofereça luz em nossa tragetória. Que nos faça recuperar o significado e o sentido da vida e do viver. Contudo, onde estará este ser? Em quem confiar para encontrar segurança e confiança? Quem poderá  extender a mão da cordialidade e da compaixão nos momentos obscuros do nosso viver? Em tempos passados, quando estávamos na tribo o conselheiro, o pagé, a grande mãe, eram as pessoas em que podíamos nos entregar em total confiança, para receber as orientações do caminho de saída das trevas para nos reconectarmos com a luz. Hoje temos o psicólogo, o terapeuta, o médico… mas, onde estão estes verdadeiros seres humanos que possam ir muito além da técnica racionalizante das estatísticas, das catalogações patológicas e farmacológicas? O filósofo Alexandre Jollien afirma com grande sabedoria: ” Sonho com um médico que me convide para o treinamento da mente, que transmita ferramentas concretas para nos ajudar a atravessar os tormentos.”

Abraços   ****

Vivi

TERNURA COM FIRMEZA

Conduzir a vida conciliando uma atitude de ternura e ao mesmo tempo com firmeza e determinação, talvez seja um dos grandes desafios que uma pessoa que se propõe a trilhar o caminho do auto aprimoramento tenha que enfrentar. Para escapar do círculo vicioso do sofrimento gerado pela ignorância, há que ter firmeza de propósitos aliada à um profundo amor e compaixão. Uma mente aprisionada pelas vaidades do ego não consegue ver a profundidade do seu ser interior. Se mantendo na superfície, é capturada pelo egoísmo das culpabilidades e dos ressentimentos que deturpam a realidade, considerando como felicidade aquilo que não passa de um sofrimento disfarçado. Para sair deste estado viciado é necessário querer ver as causas do sofrimento, ver o quanto a ignorância é um tremendo obstáculo à verdadeira paz interior e à alegria de viver. Com ternura e firmeza, é possível ver que no caos e na confusão podemos encontrar uma alegria escondida, basta querer vê-la, querer encontrá-la, pois o cerne do caos, oferece  a luminosidade para encontrar a saída daquilo que confunde e deturpa. O remédio para superar os sofrimentos gerado pelo ego está no cultivo do amor e da compaixão, com ternura e firmeza.

Abraços    ****

Vivi

 

PROTEGER O AMOR DO CORAÇÃO

Quando a coragem e a humildade se apresentam no cenário da consciência, é possível estar atento para proteger o coração, proteger esta morada que abriga os mais nobres sentimentos, Proteger o “coração” da lógica racional. Uma racionalidade que muitas vezes insiste em comandar e fazer valer uma única verdade, uma única visão como sendo toda a verdade e nada mais. Proteger o amor do coração, é ter a sabedoria do cuidado atencioso da firmeza silenciosa que age mas, nada impõe.

Abraços    ****

Vivi

“VIVER POETICAMENTE”

“Viver poeticamente” como afirma Edgar Morin, é viver “o  vivido como alegria, embriaguez, comemoração, gozo, volúpia, delícia, encantamento, fervor, fascinação, beatitude, deslumbramento, adoração, comunhão, entusiasmo, exaltação, êxtase.”   Quando a sabedoria abraça a poesia e tudo pode se re-ligar, o amor emerge e contagia a alma. Um amor onde o sagrado surge no seu apogeu e tudo se ilumina, porque a alma já é iluminada. Viver a poesia da vida, é se deixar encantar pelo mais simples onde o mais sutil e o mais efêmero acontece. É ser poesia e prosa, é ser a delícia e o encanto do mistério amoroso da vida.

Abraços  ****

Vivi

UM CORPO BEM CUIDADO

Cuidar do corpo desprovido dos apegos,  é respeitar um espaço portador da preciosa possibilidade viva de autodesenvolvimento e aprimoramento pessoal. Quando cuidamos do nosso corpo temos através dele, a oportunidade de progredir em conhecimento e liberdade interior. Através de um corpo bem cuidado e consciente da sua presença responsável  no viver  é possível contribuir para o bem de si e para o bem de todos ao nosso redor. Os obstáculos do viver podem ser reconhecidos como oportunidade para se transformar e crescer. Só um corpo saudável pode oferecer uma mente saudável, e uma mente saudável  é aquela que amplia o seu bem estar e sua felicidade  para todos os que estiverem à sua volta. A verdadeira felicidade é aquela que é compartilhada com generosidade e amor altruísta.

Abraços    ****

Vivi

ESPERANDO APLAUSOS… CUIDADO

Quem faz uma  “boa” ação apenas para cumprir um dever ou uma regra estabelecida  nas relações de  conveniência apenas para obter  aplausos,  pode acabar se frustrando.  Em algum momento as plateias se cansam e o público abandona o espetáculo. Fazer o bem pela alegria de fazer o bem, desprovido de qualquer sentimento de vaidade  ou  reconhecimento externo, é entrega a um compromisso de amor e benevolência pessoal. “ Plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores.” William Shakespeare

Abraços    ****

Vivi