FUTURO E PASSADO

Acreditar na transformação, no potencial do novo é acreditar na vida. Trazer para o viver, no vivido de cada momento da existência a possibilidade do novo, da transformação, daquilo que está por vir, requer educação, pois é uma prática fruto de uma construção interna. Educação, porque vivemos em uma cultura que gosta de ressaltar o pessimismo, afinal violência, desqualificação, intimidação, são ingredientes altamente vendáveis no supermercado capitalista, que tende a exercer controle e força para despotencializar o humano, submetendo-o ao consumo desmedido. Alimentar a capacidade de fazer nascer o novo, aquilo que ainda não existe, mas tem o potencial de existir, é fruto de uma experiência de resistência interna, fruto de decisão e escolha pessoal. O futuro não é escravo do passado, portanto, sempre é possível o nascimento de algo novo, de novas possibilidades, de formas mais agregadoras frente aos acontecimentos. Isto é viver a vida com potência, assim como é a própria vida. Está dado, basta querer acessar. Faça a sua escolha!
Abraços ****
Vivi

CORPO E MENTE CONSCIENTE

Na era do conhecimento, que reconhece a importância do encontro interdisciplinar, a ciência estabelece um diálogo construtivo entre as diversas áreas de produção científica e reflexão do pensamento, como a neurociência, a biologia evolutiva, a química, a fisiologia, a filosofia, a psicologia, a genômica, a arqueologia, no sentido de compreender a mente consciente. Antonio Damásio afirma que, “não podemos estar conscientes sem possuir uma mente consciente da qual estejamos conscientes”, então onde está a consciência no ser humano vivo? A mente consciente de si mesma,se encontra no corpo humano vivo, afinal o corpo é o alicerce da mente consciente. Portanto, entendo eu, que o nosso corpo merece todo o nosso respeito e cuidado. Não havendo separação entre mente e cérebro, entre corpo e mente, onde entrelaçados processos neurais da várias partes do cérebro dão origem a uma consciência baseada num Self. A consciência é a manifestação concreta do grande desenvolvimento evolutivo do humano, onde a ciência e a arte podem se manifestar. Estar consciente da nossa consciência, como uma testemunha que pode acompanhar e atuar na presença viva de cada presente, nos acontecimentos e ambientes, a manifestação da consciência, de um si mesmo que se expressa, além de ser um salto evolutivo, é também a fundamental experiência de Si mesmo, a experiência da subjetividade. Estar consciente de seu corpo e de sua consciência é ser um Ser Humano encarnado na pessoa humana viva, potente, onde criatividade e subjetividade dialogam articulada e plenamente.
Abraços ****
Vivi

E A CAVERNA ?

Platão deixa como um grande legado à humanidade, a imagem da caverna, refletindo na necessidade do humano sair da caverna, que apenas vê as imagens refletidas nas sombras e ter a coragem de ver a luz do conhecimento, a luz da realidade dos acontecimentos e das formas. Então cabe a pergunta: Como sair da caverna? Será que, passados tantos anos após a afirmação de Platão, estamos nós pessoas humanas, depositando nosso esforço para querer ver a realidade dos fatos,dos acontecimentos em todas as instâncias por onde temos transitado? Como, de que forma, poderemos nos articular, para sair do “sono profundo” da lógica linear, dos favoritismos, da zona de conforto e conformismo, da atitude projetiva que se nega a assumir responsabilidade sobre as escolhas e as consequências das escolhas, para mudar e praticar o que temos professado, para encarnar os valores que temos proferidos em discursos comoventes, dando sentido e respeitando a vida e a humanidade? Acredito que as questões ontológicas e antropológicas precisam ser trazidas ao cenário de nossas vidas e em todas as suas instâncias, senão continuaremos imersos na obscuridade das sombras dos discursos internos que tem sustentado atitudes que impedem o avanço civilizacional e pior, reforçam um sistema mercadológico que está a serviço do lucro a qualquer preço, ao imediatismo, à ignorância, ao isolacionismo e consequentemente às sociopatologias. Então, onde está você, dentro da sua caverna, no caminho de saída ou já pode receber a luz do sol? São escolhas.
Abraços ****
Vivi

SERVIDÃO DE SI MESMO

Uma pergunta inquietante: como pode alguém desejar a servidão de si mesmo? Esta pergunta Espinoza e Reich já fizeram, mas que continua presente em muitas reflexões sobre o ser humano. Com um pouco de discernimento, seria impossível alguém desejar a sua servidão porém, as pessoas que se submetem a seus padrões de comportamento, aos automatismos, aos condicionamentos, ao repetitivo e escolhem de alguma forma permanecerem na zona de conforto, são aquelas que ficam no território da servidão de si mesmo. Na ausência de reflexão, longe da vontade de querer viver realmente a sua liberdade, muitas são as pessoas que se deixam ser capturadas pelos padrões psíquicos, pelos padrões mentais, e insistem em permanecer numa lógica cínica, conformista, indiferente, acreditando que esta é a única verdade. É no sofrimento, que tais pessoas acabam gerando mais sofrimento para si e para os outros, mantendo-se na servidão de si mesmas, através de seus condicionamentos que alimentam todo um discurso interno para justificar este lugar alienante. Outra pergunta deve surgir: o que fazer? como oferecer luz, claridade mental para que a pessoa humana possa se ver nesta teia aprisionante? Aqui , acredito que a educação tem uma responsabilidade preponderante, mas há que agir, saindo de uma pedagogia informativa para uma pedagogia formativa e restaurativa.
Abraços ****
Vivi

A QUEM SERVIMOS ?

Se estamos nesta vida a serviço, se cada pessoa humana é portadora de uma missão na sua existência, acredito que a pergunta é pertinente: a quem servimos? Imersos em tecnologias, capitalismos, mercado financeiro, pedidos ecológicos e sustentáveis, qual a direção escolhida para servir? Onde estamos neste cenário? Estamos a serviço da tecnologia mercadológica onde o interesse está absolutamente no lucro a qualquer preço ou estamos a serviço do Ser Humano, da vida, do mistério divino que sustenta a vida de todos os seres vivos neste planeta. Você sabe qual é a sua missão nesta existência?
Abraços ****
vivi

QUAL O SENTIDO DO ENCALHE ?

Observando as relações, as enormes dificuldades, distâncias entre as pessoas, subjulgamentos que geram enormes sofrimentos, submeter e ser submetido, relações que alguns chamam de projeção, co-dependência, adicção e tantas denominações, mas onde a pergunta sem resposta ainda permanece: POR QUE?. Qual o sentido de tanto sofrimento? Seria apenas manifestação da cultura de dominação? Seria um profundo medo que despontencializa tanto o dominador quanto dominado? Há quem diga que falta diálogo, entendimento, mas seria somente isto? Me indigna esta situação que permanece ano a ano, com pequeninas alterações, diria um passo para frente e muitos no sentido do retrocesso. O que acontece? Onde está a coragem, a potência a força vital? Por que tanto medo e insegurança? Teremos que fazer perguntas para quem sabe possamos acordar deste sono conformista, alienante, descorporificado, desencarnado, que gera mais sofrimento perpetuando o sofrimento por mais e mais gerações. Não sei, só sei que precisamos perguntar e agir sempre, com coragem e dignidade para sustentar a grande potência que é a vida.
Abraços ****
Vivi

O HUMANO MERCANTILIZADO

O capitalismo instaurou o reino da mercadoria. Transformou a força de trabalho humano em mercadoria. É um sistema que tem coisificado as pessoas e personificado as coisas. Nada que é humano tem escapado da ditadura das finanças, onde tudo é feito em função do lucro e o ser humano tem sido vítima do abuso estrutural deste sistema, através das fobias e do cinismo dominante. Onde estará a saída deste drama de lucro máximo a curto prazo? Haverá saída? Talvez não possamos pensar em uma saída apenas, mas ampliar a perspectiva em ações articuladas conjuntamente, considerando tanto as causas ecológicas como a causa antropológica. Efetivar ações de engajamento em todos os níveis das redes sociais, nas diversas formas inovadoras de iniciativas e organizações, incitando a criatividade e as invenções, aliando a mais realista consciência do possível à mais ambiciosa visão do necessário, sempre no sentido de salvaguardar o ser humano e a vida. Sair do conformismo alienante e fundamentalista, para abrir espaços que considerem as possibilidades de uma justiça que dignifique tanto o meio ambiente como o gênero humano, afinal são eles indissociáveis, apostando e pavimentando caminhos sólidos, partindo da descivilização para a indignação através de ações transformadoras e inclusivas.
Abraços ****
Vivi

UM MODELO EM QUESTÃO

No final de 2008 presenciamos a queda de um segundo muro, após 19 anos da ruína do muro de Berlim, colocando em questão um modelo político e econômico diante um avanço vertiginoso da tecnologia. O que observamos nestes tempos, são países pobres se tornando mais miseráveis e países tido como ricos se tornam empobrecidos, com elevados índices de desemprego e políticas não inclusivas. Com total clareza, podemos observar que a riqueza tem sido transferida para corporações com a vitória de especuladores. Neste cenário empobrecido de valores, onde fica a democracia, o senso de justiça, de igualdade e sobretudo a igualdade de oportunidades para todos. Estamos diante de um sistema educacional que tenta ensinar o valor da verdade, da honestidade para nossas crianças mas cujos adultos e líderes abusam do poder negando os valores e a dignidade. Diante desta desumanidade, conclui-se facilmente , que estamos distantes da democracia e ainda temos muito por agir e questionar, sobre a verdadeira função do capitalismo mercadológico.
Abraços ****
Vivi