SEM TEMOR COM DIFERENÇAS

A Paz não é um estado resignado ou ausência de guerra. A Paz é um estado de realização, sem temor de si e do outro, com plena aceitação das diferenças. Portanto, ser pacífico requer o cultivo permanente da coragem de reconhecer estados temerosos, para transforma-los através de ações conjuntas em redes comprometidas efetivamente com o espírito democrático, ou seja para o bem comum, que inclui e respeita. Sabemos perfeitamente o desafio que é aceitar o diferente e as diferenças. Aqui também é preciso a coragem para fortalecer e sustentar comprometimento e diálogo, no mais íntimo do nosso ser, para então ser possível extender ao outro e a todos os outros. Portanto, uma sociedade somente será verdadeiramente democrática, quando se dispuser a aprender a manejar-se éticamente nas relações do cotidiano, contemplando as diferenças que a constituem e a caracterizam.
Abraços ****
Vivi

PARA ALÉM DO FÍSICO

Há um momento importantíssimo no processo vivo do Ser Humano que é a garantia da sua sobrevivência.Para assegurar a vida, o humano busca alimento como também amplia suas redes construtoras de conhecimento, viabilizando sua interação com o mundo circundante e desenvolvendo suas necessidades. Contudo, há um momento em que este humano pode e vai além do aspecto físico-biológico, quando ele segue a tragetória da autoconsciência, voltando-se para si no território da metaconsciência e é aqui que o humano pode encontrar a sua autonomia. É quando ele sai da tensão necessária para a preservação e manutenção da sua própria vida, que ele tem a possibilidade de encontrar-se, cultivar-se, aprimorar-se na sua auto-realização, na realização de Si mesmo.
Abraços ****
Vivi

BABAR E TECER

O corpo vivo faz corpo ininterruptamente. Enquanto vivos, nós humanos fazemos corpo, fazemos tecidos, tecemos corpo. Assim como as aranhas, babamos nas secreções e ao mesmo tempo tecemos a nossa teia interconectada, pulsando nas bolsas e camadas somáticas, processando ambientes. Com os ambientes experimentamos e entendemos o mundo e com os modos de pensar, de relacionar, gestuar, comunicar, co-construímos corpos no tempo/espaço. Produzindo corpo, produzimos conhecimentos, significações, símbolos, para expressar a si mesmo e dar passagem à vida. Viver plenamente é estar conectato consigo mesmo e com os ambientes, percebendo-se e sendo sujeito da sua própria vida, sendo esta uma experiência viva e única da existência humana.
Abraços ****
Vivi

CORPO VIVENCIADO

Durante longo tempo, permaneceu a perspectiva de antigos conceitos que abordaram o corpo humano como corpo máquina, como um órgão executor e/ou objeto de propriedade. Sendo objeto, poderia ser explorado ao máximo. Contudo, esta visão-máquina do corpo humano, muitas vezes ainda se envidencia em algumas “rodas”, impedindo uma visão integrada. O corpo como máquina é fruto de um olhar que separa a paisagem interna do Ser Humano da sua estrutura motriz, desconsiderando a vida psíquica, afetiva, relacional, como processos integrados e portanto, inseparáveis da fisiologia e do sistema ósseo-articular. O corpo vivenciado, integra e situa o corpo humano vivo no espaço-tempo, histórico, social, existencial, sendo este o ponto de intersecção da relação com o outro e todos os outros humanos vivos na rede da biosfera.
Abraços ****
Vivi

O MUNDO DE UM É O MUNDO DE TODOS

Nascemos na rede viva da biosfera. Nesta grande rede crescemos, maturamos, convivemos com todo o potencial humano, com desafios, conquistas, perdas, projetos, enfim com tudo o que nos compõe como humanos e é nesta rede que também morremos, caindo da árvore da vida. Nós humanos nascemos e morremos, mas as nossas idéias, realizações, artes, expressões e cultura continuam, prosseguindo o viver, dando continuidade ao projeto do vivo. Nestes territórios somos um e somos muitos. Cada ser humano é ao mesmo tempo uno e múltiplo, somos muitos QUENS em uma só pessoa e em um só mundo. Aqui fica a reflexão: “o mundo em que vive um é o mesmo mundo em que vivemos todos”. Portanto, saber viver com alegria as diferenças, compreendendo que todos nós somos parte e fazemos parte desta trama viva, talvez aqui esteja contida a sabedoria da maturidade bio-cultural-social-espiritual.
Abraços ****
Vivi

NÃO SE CONHECE NÃO SE AGE

Todo conhecimento adquirido é fruto de uma paticipação ativa do sujeito para a sua incorporação. Essa atividade participativa é primeiramente sensório-motora, isto é, corporal. Ao longo do processo maturacional do sujeito, as ações corporais vão sendo interiorizadas, coordenadas entre si, relacionando-se à construção de representações dando origem às ações do pensamento. Quando não se conhece não se age, considerando o conhecimento como fruto de experiências vividas em situações de aprendizagem, o que é completamente diferente de aquisição de informações. O agir depende de um conhecer, que depende de um fazer, que depende de um querer, uma disposição voluntária para conhecer, compreender e transformar. O desafio maior é COMO apresentar o conhecimento na forma viva, participativa, vivenciada, que venha gestar e gerar respostas comportamentais agregadoras,salutares para o sujeito e para o seu entorno, oferecendo desdobramentos que favoreçam as relações considerando o bem comum. COMO sair do isolamento egoístico para um compartilhar sociointegrativo? Aqui emana o fundamental papel educacional, entendendo a educação na sua forma expandida em que todos os sujeitos são responsáveis por suas escolhas e as consequências das suas escolhas.
Abraços ****
Vivi

INDIVÍDUO – UM MUNDO DE EXPERIÊNCIAS

INDIVÍDUO, do latim individuu, indivisível, inseparável.
Cada indívíduo é um todo em si mesmo e por ser indivisível, não pode ser fragmentado. Porém não é bem assim que nós humanos, indivíduos que somos, nos vemos. Se não conseguimos nos colocar no mundo como um todo integrado, não conseguimos ver os outros indivíduos, com os quais estamos em constante relação, como um todo unificado. Ainda permanece em nossas relações o olhar partido e desconectado, onde as partes não se integram. O excesso de especializações, por exemplo na medicina, na fisioterapia, na educação física, ainda traz uma visão em fragmentos, onde as partes catalogadas não conseguem se integrar, caindo no reduto capitalista homogeneizante da super especialização. Esta postura fragmentada desconsidera o Indivíduo completamente,fechando-se no isolamento que obstaculiza o diálogo e empobrece a percepção. Ainda se faz necessário um esforço de compreensão para sair deste lugar reducionista, afinal cada indivíduo é um continente de experiências, com sua herança genética, cultural, suas capacidades e limitações, suas capacidades adaptativas e estilos próprios. Cada um de nós tem sua história própria em consonância com todas as outras particulares histórias dos demais indivíduos com os quais nos relacionamos, diretamente e/ou indiretamente, nas redes relacionais onde todos nós existimos e co-existimos.
Abraços ****
Vivi

CORPO EM CONTATO

O corpo não é um objeto desconectado com o mundo, com a história e com os acontecimentos. O corpo traz em si conhecimento, pois a vida na sua inteligência segue uma “programação”, a receita viva da vida. O corpo está em contato com os ambientes e interfere no perceber, sentir, pensar, ouvir, agir.O corpo vivo, estabelece constantemente contato e interações, consigo e com o meio. Está nas ecologias, participa das ecologias, criando diversidades que enriquecem a vida. O corpo vivo, está em permanente produção de si mesmo, dentro das fases maturacionais, agregando conhecimento e experiências de si. As formas se revelam na unidade-corpo com o mundo, afinal o corpo é parte do mundo, constrói o mundo enquanto se constrói. O equilíbrio é dado pela qualidade da relação do corpo com o espaço onde existe. Contraindo e expandindo, pulsando vida, ele vive seus afetos e ao mesmo tempo afeta os espaços onde vive. Esta é a maravilha da vida, que cada um de nós pode habitar na medida que se reconhece e participa
refinando sua existência na presença de cada presente.
Abraços ****
Vivi

VIDA E VÍNCULO

A vida começa com uma história vincular, o vínculo uterino. O corpo humano é a expressão viva desta história . O vincular, o cuidar, o acolher, o proteger, o trocar e preservar intimidades, foram e são ações que permitiram que o filho do humano pudesse ser viável permanecendo e reproduzindo-se . Somos todos filhos do cuidado. Até os dias de hoje, todos nós precisamos do cuidado, do reconhecimento, da proteção, da legitimação pelo reconhecimento do outro. O ato de cuidar e ser cuidado consolida o vínculo que garante a vida pela conexão, pela preservação dos espaços confiáveis que se estabelecem nos encontros. É através do olhar do outro que eu posso ver os meus olhos, no espelhamento da alma protetora do mistério da vida.
Abraços ****
Vivi

GESTO E EXPRESSÃO

No âmbito da expressão corporal uma pergunta é sempre recorrente: o movimento corporal é também emocional? A própria pergunta é em si reveladora de um olhar que entende o corpo humano em partes separadas. Embora que já se tenha falado que corpo e mente não estão separados, ainda pensamos de forma fragmentada. Toda expressão gestual é também a expressão dos nossos sentimentos, das emoções, percepções, relações,pensamentos,formas e jeitos de ser, histórias, memórias, no espaço vivo de funcionamento fisiológico, com todos os sistemas integrados. Todas as nossas ações, sejam elas perceptivas, cinestésicas, proprioceptivas, intelectuais, emocionais, realizam-se no espaço de funcionalidade do corpo. Todo movimento corporal é a expressão de um todo integrado, interligado, interconectado em si mesmo e com o meio à sua volta. Portanto esta história de separação, é algo que está apenas em nossa forma de pensar, mas não condiz com a realidade da vida, que é UNA, indivisível.O Ser Humano vivo e pleno, traz consigo inclusive as contradições que são fundamentais no processo de sustentação da vida.Oposições se completam na busca permanente de equilíbrio e sustentação da vida.
Abraços ****
Vivi