PESSOA OU PEDAÇOS COLADOS ?

O que realmente somos? O que estamos sendo? O que é um ser integral que tanto os livros de auto-ajuda proclamam? Somos um ou somos muitos a um só tempo? Se somos muitos em um só corpo, como manejar cada um e a todos ao mesmo tempo frente aos acontecimentos e desafios? Muitas são as perguntas e poucas são as respostas. Não importa, penso que se pudermos fazer perguntas e problematizar a nossa existência já estamos caminhando na direção de uma melhor aproximação consigo mesmo. Se pudermos olhar em profundidade encontraremos muitos “quens” de nós mesmos, a questão é reconhecê-los e saber maneja-los e matura-los. Contudo é necessário que sejamos uma pessoa e não pedaços colados e plastificados, “butoxizados”,”ciliconizados”…… Ser uma pessoa é reconhecer-se humano vivo e pleno, com todas as manifestações da vida, se fazendo com o outro e através do outro. O espaço da existência humana é feita de relações e interdependências,do vivo para com o vivo e não com pedaços disfarçados de humano.
Abraços ****
Vivi

CONHECER E RECONHECER A SI MESMO

“Conhece-te a ti mesmo. Nada em demasia.” Conhecer-se e reconhecer-se é tarefa para toda a vida. Regular-se frente às situações, acontecimentos e atravessamentos da vida, é exercício permanente de atenção sustentada voluntariamente alicerçada na ética e nos valores universais. Sem auto-manejo,sem auto-reconhecimento no cultivo da presença somática, o sistema neuro vegetativo é acionado e as respostas do tronco cerebral e sistema límbico são acionadas impulsivamente, sem tempo para o sistema cognitivo oferecer respostas mais agregadoras e adaptativas. Portanto, “conhece-te a ti mesmo e nada em demasia”, é um exercício permanente no processo maturacional do humano que se compromete com o melhor e o maior em si mesmo e sobretudo para com o outro, afinal é através do outro que eu posso crescer e maturar. Sabedoria é para ser cultivada minuto a minuto ao longo de uma existência.
Abraços ****
Vivi

ALVORADA PARA A ÉTICA

Os acontecimentos planetários que tem marcado o início do seculo XXI, começam a sinalizar uma alvorada para a ética e não um entardecer. Uma ética da responsabilidade que se preocupa com as consequências da ação, é uma ética da prudência. O nosso mundo é sempre o que construimos juntos. Quando o desenvolvimento é divorciado de seu contexto humano e cultural, não é mais que um crescimento sem alma.O compromisso ético permite a saída da indiferença e alienação para assumir uma responsabilidade ativa, que dá sentido à humanidade, a partir do respeito à singularidade de toda a existência humana. Refletindo a ética, é sempre inspirador lembrar Hannah Arendt – “Onde todos mentem à respeito de cada coisa importante, quem diz a verdade, saiba disso ou não, começa a agir.”
Abraços ****
Vivi

ÉTICA NUNCA É DEMAIS

Todas as tradições religiosas, tanto do oriente como do ocidente, enfatizaram a necessidade da ética para uma convivência saudável entre as pessoas e as comunidades. O convivío social salutar depente da ética. É através do ato ético que o ser ético se manifesta nas ações, nas escolhas feitas momento a momento. O grande desafio é fazer com que a ética se efetive em todas as nossas relações e escolhas que fazemos. Quem sabe um dia possamos ter em nossas escolas, do ensino fundamental à universidade, o ensino da ética e a ação ética permeada em todos os ambientes, formando o sujeito ético. Uma pedagogia formativa requer professores cujo comportamento e expressão tenham a ética como o valor maior, um valor a ser preservado e nunca abdicado. Formar sujeitos éticos para que a ética exista em todos os territórios humanos, do lazer ao profissional, da mídia e comunicação, das ciências e pesquisas à produção industrial,enfim que sejamos os grandes preservadores da vida e da potência vital.
Abraços ****
Vivi

ÉTICA – O GRANDE ELO

O mundo contemporâneo vive momentos de grandes transformações. Presenciamos mudanças em todas as esferas, do pessoal ao coletivo, do público ao privado, do local ao global. A ética tem ocupado os discursos em vários cenários e quem sabe ela possa ser num futuro, o nosso grande elo de compreensão para uma convivência saudável, onde a vida seja considerada e respeitada, afinal sem vida nenhum de nós humanos poderemos sobreviver. A ética é a condição primordial da sustenção da vida, porém ainda não sabemos nem o que significa ética. Uma palavra muito usada nas narrativas e discursos mas insipidamente vivida nas relações. Como construir um espaço democrático para o convivío ético? Quem sabe as grande evoluções que teremos pela frente nesta contemporaneidade, possam ser não apenas científicas e tecnológicas mas sobretudo éticas. Ética significa confiança mútua, respeito e responsabilidade, no presente de cada momento de nossas vidas. É o sim quando sim e o não quando não. No universo ético não pode haver favoritismos e conveniências. Talvez este seja o nosso grande desafio: educar para uma vida ética!
Abraços ****
Vivi

QUANDO O UNIVERSO AVISA E SINALIZA

Saber ouvir, perceber e captar as mensagens do corpo, como uma via de auto-reconhecimento de si mesmo é fundamental para o equilíbrio e a saúde física, emocional e relacional. Somos um corpo vivo e habitamos um planeta vivo dentro do cosmo. Nestes territórios, são muitas as comunicações e as redes por onde transitam informações, para que tudo se mantenha na devida ordem planetária. Quando esta ordem é alterada, o organismo precisa encontrar caminhos para manter o equilíbrio, pois esta é a receita cósmica e a vida quer passar. Nós humanos somos canais de passagem da vida dentro do processo evolutivo. Se estivermos alinhados à ordenação do fluxo vital e cósmico, temos a chance de prosseguir, mesmo dentro das limitações da cadeia da vida humana, cumprindo o fluxo natural do nascer, crescer, amadurecer e fenecer. A preservação de uma vida saudável é fundamental, senão o sofrimento nos acomete, adoecemos, interferindo no projeto do vivo. Cultivar a capacidade atentiva para ouvir e reconhecer os sinais da vida, nos ajuda a preservar o processo natural, evitar o sofrimento ou redimencioná-lo, para continuar no fluxo vital. Manter o ritmo é preservar a vida. Velocidade, aceleração, ansiedade, pessimismo, prepotência, arrogância, intolerância, são elementos que nos afastam da vida. Portanto, cuidado, cultivar a atenção, humildade amorosa, gentileza, cordialidade e respeito para consigo e com o outro e todos os outros é preservar a vida em si, no planeta e no cosmo. Atenção, são muitos os sinais e as sinalizações, resta saber ouvir.
Abraços ****
Vivi

EXPERIÊNCIA E CORPOREIDADE

Como seres vivos pensantes os humanos elaboram reflexões, movimentos, fazem escolhas, selecionam gestos se comunicam falando, narrando, dançando, cantando… Seguem códigos sociais, estão nas diversas redes relacionais, preservam a sobrevivência, dialogam nas linguagens, planejam futuros, recordam o passado… No isolamento do silêncio ou nas conversas estabelecidas nos grupos, no deslocamento urbano, o humano aprende, ensina, compartilha e vive as experiências que o constrói. Dentro destes múltiplos cenários o humano se corporifica, faz corpo e se expressa no pensar e no gestuar. Quanto maior for a qualidade da presença somática, maior será a possibilidade deste humano conectar corpo, movimento, gesto, pensamento e emoção. O corpo vivo é fruto da experiência vivida e é na experiência, que o humano vai selecionando modos de ser, junto com os ambientes em consonância com a sua singularidade. No experimentar, repetir e experimentar, que o novo aparece e amadurece.
Abraços ****
Vivi

VIDA E TRANSMISSÃO DE INFORMAÇÃO

A vida sustenta um sistema de comunicação entre os organismos, para continuar o processo do vivo. No sistema de comunicação as informações transitam constantemente, permitindo e garantindo o estado de transformação e maturação. A comunicação se dá no organismo em vários níveis, que recebem e transmitem as informações, sustentando um amplo sistema de sinais que garante a existência do ser tanto intra organismo, como também as informações que se expandem para toda a cadeia de relações entre os seres vivos. Todas as informações são socializadas. O corpo e sua anatomia subsistem dos códigos e da dinâmica das relações humanas entre os corpos e no interior de cada corpo vivo, ao longo do viver. A capacidade de transformar em raciocínio as informações dos sistemas de percepção, codificando e decodificando conscientemente é o instrumento último da aquisisção evolutiva.
Abraços ****
Vivi

QUANDO O PRESENTE É INSUPORTÁVEL

Algumas pessoas, ao longo da sua particular história, precisou selecionar formas desagregadoras para suportar o meio e continuar vivendo. Ocorre que a medida que as histórias mudam, dentro do natural processo de desenvolvimento, estas formas somáticas que foram funcionais em determinadas circunstâncias, acabam por se tornarem altamente desagregadoras e mais deletérias, para a pessoa em si e sobretudo para os que estão em seu entorno. São as chamadas formas defensivas, que se expressam na rigidez dos gestos, nas falas e narrativas, no tom de voz, no olhar, gerando afastamento e não conectividade, pois são expressões de violência. Todas estas formas defensivas, são maneiras de não estar no presente, porque o presente se torna insuportável. Estar no presente é aprendizado para uma vida inteira, que vai se formando e se construindo. O triste é que as pessoas portadoras destas formas defensivas, não tem consciência dos “estragos relacionais” que vai cometendo pelo caminho, gerando respostas também desagregadoras. Como sair deste círculo vicioso? A boa notícia é que tem saída, mas é preciso que o cidadão queira, afinal se estiver vivo, estará pulsando.
Abraços ****
Vivi