REPETIR PARA APRENDER

Quando repetir para aprender,aparece como proposta, a pessoa que vive capturada pela aceleração, em busca de incessantes novidades a serem consumidas, não consegue compreender que toda aprendizagem pede a repetição. É no ato de repetir que aprendemos. Ocorre que a repetição para o aprender nunca pode ser a repetição estéril, condicionada e automatizada. Repetir para aprender, requer um fazer sempre novo, que viabiliza o processo criativo, a experimentação que faz conexões, diferenciações, que enriquece com novas possibilidades, é o mais do mesmo. Sem estabilidade não há criatividade. A criatividade precisa ser conjugada com a estabilidade. Se a intenção é aprender muito mais que acertar, há que repetir, porém com espírito criativo e aberto para o novo que certamente irá emergir.
Abraços ****
Vivi

NOVO E NOVIDADE

A ânsia desmedida por tudo que é novo e pelas mais diversas novidades que o mercado impõe insistentemente a todos nós, acaba gerando formas de dependência e mais aceleração, que por sua vez aumenta ainda mais os estados de ansiedade. O novo é importante, mas igualmente o existente também é, afinal aprendizagem se faz na repetição. É no repetir que temos a oportunidade de descobrir novas possibilidades do mesmo, é na reedição do existente que aprendemos, quando distinguimos, diferenciamos, onde surgem novas conexões que se tornam novidades pela descoberta. Então a atitude automática, condicionada de estar sempre querendo o novo, pulando de um lado para o outro sem aprofundar e construir raízes, acaba gerando superficialidade que leva à frustração, porque não transforma. A transformação só acontece na diferenciação pela repetição, é no “mais do mesmo”, no fazer fazendo, que aprendemos e aí podemos elaborar novas camadas de maturidade de si mesmo. O rápido impede o absorver das coisas e se transforma em consumismo cultural.
Abraços ****
Vivi

SENTIMENTO E CONFIANÇA

Diante de tanta aceleração, estímulos os mais variados e necessidades que se apresentam nas urgências do cotidiano, estados de insegurança e ansiedade remetem o Ser Humano ao desequilíbrio e ambiguidades. As violências, altamente exploradas pela mídia em todos os seus canais de comunicação, alimentam ainda mais estes lugares inseguros, levando o humano ao consumo desmedido, distanciando-se cada vez mais de si mesmo. Então onde confiar? Será que pode existir um lugar confiável nestes cenários? Até que ponto a lógica linear retira o humano do senso de si , apresentando argumentos sedutores e convincentes que geram mais desequilíbios, remetendo-o aos automatismos condicionantes? Embora a racionalidade do humano seja um grande passo evolutivo, a lógica linear impede o contato consigo mesmo. Porém os sentimentos não mentem. São eles que permitem ao humano poder reconhecer-se, acolhendo sua humanidade. Contudo é preciso que este humano queira se ouvir, queira conectar-se, queira estar presente em si mesmo e isto é plenamente possível e salutar.
Abraços ****
Vivi

O QUE É SER CONTEMPORÂNEO ?

Ser contemporâneo é saber reedita-se, é saber deixar de ser prisioneiro dos padrões de automatismos condicionantes, que roubam a presença de cada presente da vida. Ficar preso a um passado ou estar permanentemente projetando futuros, é perder a oportunidade de viver o tempo presente. Ser contemporâneo é saber encontrar o que oxigena a vida, renova, alimenta, traz ânimo e vitaliza a existência. É sair da asfixiante paralisia dos lamentos saudosistas reeditando-se diariamente, tendo uma afinada percepção de si mesmo. É saber criar condições satisfatórias para que o mundo, as coisas reverberem, fazendo a vida pulsar nas contínuas trocas do interno para o externo, de fora para dentro e de dentro para fora, pulsando, sem se deixar capturar pelas mídias consumistas e alienantes. É estar atento aos filtros pessoais, de tal forma que possam regular as trocas, tornando-as mais agregadoras e potentes.
Abraços ****
Vivi

REENCONTRAR-SE É NECESSÁRIO ?

Aceleração, agitação, demandas, urgências, são elementos do contemporâneo que provocam o distanciamento pessoal. Como sair da roda viva agitada e abrir brechas em nosso cotidiano? Todos nós temos necessidade de silêncio, de encontro pessoal, é uma questão de preservação da saúde, muito mais que uma simples prescrição médica ou psicológica. Todos nós temos uma necessidade de nos reencontrar, para sermos mais inteiros, mais íntegros e inclusive poder sentir-se mais à vontade com o mundo. Conhecer-se, reconhecer-se, adaptar-se para poder prosseguir na vida pessoal e relacional de forma mais plena, mais potente e mais funcional. É no silêncio que temos a oportunidade de fazer contato com os cinco sentidos. Só poderemos sentir e receber o toque do outro se pudermos sentir o toque da nossa própria pele. Ouvir escutando, saboreando os diferentes sons, a musicalidade, para compreender o outro e recebe-lo. Ver claramente, recebendo as mais variadas informações . Saborear os sabores e os odores, mas para isto é preciso silêncio interno. Só a paz do silêncio, de um certo retiro pessoal, permite um bem-estar que não apenas renova mas que irradia internamente e sobretudo irradia para o outro, perpassando até o coletivo.Reencontrar-se é uma necessidade vital.
Abraços ****
Vivi

CRIADOR E CRIATURA, UM OU DOIS ?

Ao longo da vida o humano constrói a sua existencialidade nas experiências vividas em todas as suas relações, com tudo e todos a sua volta, realizando o seu viver. Incontáveis escolhas e realizações as mais diversas, sucessos e insucessos, facilidades e desafios são experienciados ao longo de uma vida. Este é o processo de edificação da grande obra de arte, a arte de viver. Como artífice de si próprio, o humano está em permanente edificação. A vida quer passar. O humano é canal de passagem da vida. Porém nesta missão biológica o humano cria a criatura que é. Como criador, esculpe a sua obra, em seu corpo vivo e nas realizações, em todas as suas infinitas conexões. O humano é o Criador na Criatura, é o artista na própria obra. Conforme a qualidade das escolhas e o poder da presença viva, tem o humano a liberdade de criar uma obra em si que seja eterna, mas tudo vai depender da união do maior com o melhor de si mesmo, onde o Criador já está na Criatura.
Abraços ****
Vivi

INTOXICAÇÃO QUE DESPERSONALIZA

O mundo contemporâneo é um mundo onde mais e mais coisas e modos são insistentemente apresentados, capturando as pessoas numa onda geradora de necessidades muitas vezes inecessárias. Na desatenção, passamos a acreditar que se não estivermos funcionando nestas ondas seremos excluídos do mundo. Quanto mais intoxicados ficamos pelas insistências midiáticas mais despersonalizados ficamos, perdendo o sentido e o propósito da vida. Distantes do significado da existência, nos entupimos com coisas, modos e modismos e acabamos sendo transformados em coisas, submetendo-nos ao manejo capitalista que atende exclusivamente aos interesses do mercado. Intoxicados e despersonalizados, capturados e subjugados, adoecemos na rede social. Deixar de acreditar neste cenário de violências, assumindo a tarefa sagrada de todo ser humano na justa medida, talvez seja hoje o nosso grande desafio como humanidade. O desejo quer ser desejado, ele nunca tem fim. Portanto ter clareza para realizar uma gestão pessoal, onde a economia do desejo possa ser assumida e praticada, é construir uma vida de realização salutar na posse de si mesmo.
Abraços ****
Vivi

FORMA , FÔRMA E FORMATAÇÃO

O corpo humano é uma forma, a forma somática, que herdamos de nossos pais e que construímos constantemente. O humano vivo se constrói, faz tecidos, é um organismo que se renova. Quando a forma somática permite o livre fluxo da vida, liberando suas passagens, toda a potência da vida pode se manifestar, fazendo novas conexões que constroem novas possibilidades. Capturado pelos condicionamentos, pelos automatismos, a forma somática se imobiliza em fôrmas despotencializantes, que impedem o pulsar e o fluir da vitalidade, construindo formatações que se manifestam em padrões repetitivos. São padrões somáticos que se expressam na gestualidade e padrões emocionais, cognitivos que se expressam nos comportamentos pessoais e relacionais. O padrão desorganizante impede a vida, cria resistências geradoras de pequenas mortes em vida.Viver o grande potencial da vida é ter a coragem de desapegar-se dos padrões e viver a vida em toda a sua plenitude, mesmo em seus paradoxos e para isto não há idade, há apenas vontade.
Abraços ****
Vivi

ALMOÇO GRÁTIS EXISTE ?

Não existe almoço grátis! Tudo que fazemos tem consequências e toda consequência tem sequências, portanto saber escolher é imperativo. Tudo que fazemos ou não fazemos, tudo que pensamos ou deixamos de pensar, produz consequências que inexorávelmente recaem sobre nós mesmos. Às vezes são consequências que atingem diretamente o sujeito da ação, outras vezes o entorno. Os desdobramentos que sucedem uma ação podem ser favoráveis ou desfavoráveis,ou seja para o bem ou para o mal, portanto é fundamental saber escolher.Toda a escolha requer uma reflexão, ter claro o que e para que se faz aquela escolha, evidenciando as consequências futuras.Vivemos em uma grande rede conectiva. Qualquer acontecimento produz modificações, altera o meio, seja no mais próximo ou no mais distantes, que não podem ser desconsiderados. Portanto, não há almoço grátis!Pense nisto!!!!
Abraços ****
Vivi

SER E NÃO SER

Quando pensamos em espaços podemos reconhecer o cheio e o vazio, o que há e o que não há. Seguindo nestas reflexões encontramos as polaridades que aparentemente se antagonizam mas que na realidade se completam, pois os opostos se complementam. O ser é ser porque nele contém o não-ser. Assim é, mas um olhar desatento não é capaz de perceber e considerar que o existente existe porque também existe o inexistente, eles se contém, um ao outro. Querer e não querer. Há coisas que queremos mas há igualmente coisas que não queremos. Ter a clareza destas relações é fundamental no processo de autoconhecimento, de reconhecimento e apropriação de si mesmo. Ser e não-ser, ter e não-ter, constituem a essência de cada um de nós.
Abraços ****
Vivi