INCLUSÃO E PARCERIA

Saber incluir resistindo a todo o tipo de exclusão e saber funcionar em parcerias, são aspectos do contemporâneo que ainda não estão consolidados. A democracia se alicerça na inclusão.As diferenças fazem parte da expressão do humano, da sua natureza e para tanto a funcionalidade sistêmica das redes parceiras na comunicação horizontal, são elementos fundamentais do processo democrático.Porém este cenário só poderá ser efetivado se nas pequenas ações formos capazes de viver deliberadamente a inclusão e aqui nos deparamos com as formas da exclusão e do individualismo, que tem caracterisado nosso modo de agir, no fazer das coisas, nas decisões e nas escolhas, com inúmeras consequências.A violência mostra a sua face, permeando e contaminando nossas relações de convivência. Na medida em que formos capazes de estabelecer espaços inclusivos, com livre trânsito das informações, no respeito às diferenças,estaremos construindo um solo fértil para a realização democrática e de um cidadão que seja crítico e reflexivo.
Saber incluir e funcionar na parceria é também maturidade.
Abraços ****
Vivi

SONHAR É PRECISO ?

Se alguem te perguntasse: o que você gostaria de fazer neste presente de sua vida?Qual seria a sua resposta? Somos tão levados pela esteira dos automatismos que nem sempre abrimos espaços para sonhar, para atender a nossa curiosidade, se é que a temos.A curiosidade desperta a nossa vitalidade na medida em que nos permitimos a contactar com o mundo, descobri-lo, navegando por águas desconhecidas mas atraentes. Ir em direção ao novo, conectar com a nossa potência e sentir a força da vida pulsando em nosso ser. Sonhar é alimento para o corpo e para a alma é impulso vital. Ser curioso, ter entusiasmo, vibrar com a vida, sentir na pele a grandiosidade de ser Ser Humano,ter a coragem de expressar o melhor de nós mesmos, é ser capaz de viver o sentido pleno da existência. Sonhar é preciso e sonhar junto é melhor ainda.Diria o poeta “O sonho que se sonha só,é só um sonho que sonha só, mas o sonho que sonha junto é realidade”.
Abraços ****
Vivi

TOCAR O CORAÇÃO

Nada faz sentido na vida se não tocarmos o coração das pessoas. Conectar-se com o outro, fazer a liga, vincular e estabelecer canais por onde possa fluir livremente a comunicação, que muitas vezes não acontece pelo âmbito da racionalidade mas pela expressão que nasce da emoção. O sorriso largo e espontâneo, o olhar brilhante, o gesto cálido, a maciez da voz, são apenas algumas das possibilidades que todos os humanos possuem para tocar o coração das pessoas dando passagem para o fluir da vida. Quando a vida flui livremente sem as segundas intenções, sem exageros egóicos, sem pedantismos estereotipados, mas na simplicidade e pureza, a vida ganha força e sentido nos fazendo mais vivos e plenos.
Abraços ****

“Tudo na vida é uma meditação na qual se pode contemplar o Divino e vivendo dessa forma, aprendemos que tudo na vida é bênção.
Já não há luta, nem dor, nem preocupação. Só há experiência.”
Neale Donald Walsh

COMPARTILHAR A VIDA

Construir vínculos, compartilhar a vida,ser generoso, viver a solidariedade,ser alegre,cultivar o entusiasmo e o encantamento pela vida, são atitudes que em meio a altíssima aceleração deste modo como temos vivido, estão sendo comprometidas. Em tempos de hipervalorização da individualidade e de enfraquecimento dos laços afetivos,compartilhar a vida se apresenta como um dos grandes desafios para o humano. Querendo ser feliz, acabamos todos, nos afastando de nós mesmos, perdendo a nossa identidade. Caímos na “máquina” frenética e patológica das rotinas impostas pelo capitalismo e já não sabemos mais valorizar as pequenas grandes atitudes que nos faz humanos. Olhar e se encantar com os ipes brancos floridos, como verdadeiros buquês de flores,espalhando o doce perfume pelas ruas e cobrindo as calçadas com um tapete branco.Poder sorrir e se alegrar com a natureza,com o simples olhar do outro quando encontra o nosso olhar e se reconhecer como humano.Se permitir a ir ao encontro do olhar daquela pessoa que cruza o nosso caminho e oferecer o brilho de encantamento, cordialidade, gentileza e amabilidade do nosso olhar, isto é compartilhar a vida.A vida é para ser vivida com a coragem de quem pode suportar a intensidade da sua força.
Abraços ****
Vivi

PACIÊNCIA TAMBÉM SE APRENDE

A paciência como a tolerância são virtudes que podem ser aprendidas no exercício do querer autodeliberado, na prática da boa vontade. Porém requer pausa,desaceleração. Quanto maior é a agitação interna maior é a ansiedade e menor a possibilidade da espera ativa, do saber esperar na dose adequada frente aos acontecimentos, nos diferentes territórios dos encontros. Ser paciente requer eixo, equilíbrio,foco,discernimento,disponibilidade para a compreensão.Saõ atitudes que podem ser treinadas, assim como se treina nas diversas modalidades esportivas, nas tarefas artesanais,nas aprendizagens.A boa notícia é que o cérebro pode ser treinado,modulado, portanto esta fala de que “sou impaciente por natureza e não tenho outra forma”, não é verdadeira mas sabotagem da própria mente para permanecer na zona de conforto. Se a pessoa quiser ela pode perfeitamente treinar o seu cérebro, o seu corpo, para a paciência e a tolerância. Ser paciente e ser tolerante não é ser tolo, mas é saber agir adequadamente na hora certa,com precisão e amorosidade.
Abraços ****
Vivi

MEDO E CORAGEM

Sentir medo faz parte do humano. Evolutivamente se constituiu como proteção diante dos desafios para a sobrevivência. Porém o medo desmedido, não reconhecido, pode ser altamente desagregador nas relações de convivência, com os ambientes e com as pessoas. Todos os humanos sentem medo. Diante do novo, do não conhecido, do desafiante, é absolutamente natural que este sentimento se manifeste. Porém o discernimento, a atenção, a pausa, permitem o reconhecimento da situação ameaçadora para viabilizar uma resposta mais adequada e mais agregadora.A coragem caminha ao lado do medo, quando ela é fruto da compreensão.Se disponibilizar a compreender os acontecimentos, as situações, os ambientes, as pessoas, as relações já é por si só um ato de coragem, completamente diferente do ato heróico. Ser corajoso é ser humilde o bastante para se conectar com o mais profundo de si e deliberadamente oferecer o melhor de si,vazio de toda prepotência. Aquele que não tem medo é tolo. A verdadeira coragem advém do reconhecer o medo e agir responsavelmente sobre ele nos acontecimentos.
Abraços ****
Vivi

SER DA PAZ

Com certa frequência ouvimos: “aquela pessoa é da paz”, porém o que é Ser da Paz? O que entende-se por Paz? Como é uma pessoa da paz? Ao longo da história da humanidade muitos falaram da Paz, fizeram propostas para a paz, guerrearam pela paz, construiram e destruiram em nome da paz, se promoveram em nome da paz,morreram pela paz, mas o que é SER DA PAZ? Ocorre que, falar da paz é uma coisa, mas SER da PAZ é outra completamente diferente, pois na ordem da paz, não cabe a guerra porque a paz não é o oposto da guerra. Ser da Paz é saber se manter, se conduzir, se manejar dentro dos conflitos. Nos momentos mais desafiantes, mais adversos, mais conflitantes da vida é que temos a oportunidade de saber se verdadeiramente somos da paz.Paz é ação, é atitude, é compromisso auto-deliberado com os valores da dignidade, do bem comum, da responsabilidade, da liberdade, do respeito.Valores que não podem em hipótese alguma serem abdicados.Então como saber se uma pessoa é uma pessoa da Paz? Se nos momentos do conflito ela for capaz de sustentar estes valores, externa e internamente, então esta é uma pessoa da Paz, é um SER DA PAZ.
Abraços ****
Vivi

ENCONTROS E DESENCONTROS

Somos os ambientes e vivemos nos ambientes.Vivemos e convivemos nos encontros, afetando e sendo afetados.Cada ação reverbera, afetando o outro recíprocamente como o outro e todos os outros nos afetam. Os afetos modificam as pessoas e os ambientes, modificam a qualidade dos encontros. Os modos e as alterações podem ser para o bem e/ou para o mal, depende de COMO respondemos aos ambientes nos encontros. Portanto toda a atençaõ é necessária pois podemos ter encontros e desencontros, depende do MODO como recebemos e respondemos aos acontecimentos. Fato é que estamos constantemente interferindo nos ambientes assim como os ambientes interferem em cada um de nós, alterando nossas mais sutis expressôes. Então, de acordo com os valores que norteiam a nossa vida e com o grau de atenção que depositamos na presença dos encontros, vamos manejando o nosso viver, afinal não apenas vivemos e convivemos, não apenas existimos mas co-existimos e convivemos com as pessoas e os ambientes, com os MODOS e os COMOS do viver.
Abraços ****
Vivi