ACEITAR-SE

A aceitação de si favorece o aceitar o mundo. Aceitar-se significa reconhecer-se mas, não acomodar-se. Aceitar-se não significa resignar-se. Aceitar-se é abrir espaço interno, no coração e na mente para alavancar transformações, mudanças na direção da maturidade e do aprimoramento pessoal. A felicidade, é um estado de contentamento a ser cultivado pelo reconhecimento das possibilidades que a vida apresenta momento a momento. É saber reconhecer as reais possibilidades e responsabilidades das quais não podemos nos omitir. A atitude de aceitação não significa negligência mas, coragem e enfrentamento para edificar uma trajetória mais consciente, mais firme e mais leve.

Abraços ****

Vivi

RECONHECER-SE

Explorar a natureza da mente e do coração para compreender-se e compreender as percepções, as visões de mundo, os medos e as inquietações, reconhecer as preocupações acumuladas ao longo do tempo que trazem limitações e restringem o viver, é fruto de um querer interior. É fruto de uma decisão e um compromisso pessoal, autodeterminado e vigilante para cuidar de si. Fazer contato consigo, é estar aberto a reconhecer as fraquezas pessoais, mas também as potencialidades pessoais. Reconhecer que mesmo as fraquezas e as perdas, os medos e as frustrações, são fontes de enorme potencialidade para transformações e empoderamento pessoal. Quando é possível reconhecer a fragilidade, é possível também reconhecer aquilo que nos faz mais forte. A atitude de reconhecer-se já é em si mesma a alavanca para o maior e o melhor que existe em nosso ser interior.

Abraços ****

Vivi

RETOMAR O CONTATO

Retomar o contato com a nossa própria natureza, com a pessoa que somos, com o nosso caráter, nossos talentos e encontrar a nossa força interior, é também fruto de uma decisão pessoal. Querer saber de si, querer estabelecer uma amizade sincera e verdadeira consigo mesmo, demanda uma profunda determinação, humildade, coragem e desapego. O contato pessoal com o ser livre interior que existe em nossa essência é algo libertador, que nos encoraja, traz alegria de viver, paz e força interna. Vale a Pena !!!

Abraços   ****

Vivi

PROCRASTINAÇÃO

Sem atenção e firme propósito, facilmente procrastinamos tarefas e decisões. Muitas vezes sabemos que algo necessita ser feito, temos consciência de que algo não está adequado e até sabemos que precisamos mudar direcionamentos em nossa vida, mas ainda não temos energia suficiente para agir com determinação. O fluxo intenso e contínuo das atividades diárias, são obstáculos para uma ação decisória.  É muito fácil colocar energia mental em espaços inadequados, perder foco nas distrações, ansiedades e no turbilhão das demandas externas. Encarar a procrastinação, é um exercício da consciência atentiva que, embora desafiador,  pode trazer grandes benefícios à vida pessoal.

Abraços   ****

Vivi

SE QUEIRA BEM !

Se gostar e se querer bem, também se aprende na prática, na atitude de se gostar e se compreender. Reconhecer que é possível desenvolver a capacidade interna de enfrentar as emoções negativas, as emoções aflitivas originadas nas memórias vividas e instaladas no sistema de ameaça. Reconhecer-se  com boa vontade e ainda querer si compreender, estando aberto para olhar-se diante da vergonha, da autocrítica e até das lembranças traumáticas, já é um grande passo para a cura e para voltar a se querer bem. Ao fortalecer as emoções positivas, fortalecer a capacidade de experimentar a alegria e os sentimentos amorosos de acolhimento, associando às práticas de respiração na calma, as portas do amar-se se abrem e a fonte da bondade amorosa se intensifica na mente, no corpo e na alma.

Abraços   ****

Vivi

AINDA AUTOCOMPAIXÃO

A pesquisadora em autocompaixão Kristin Neff, apresenta em um de seus artigos publicados sobre o tema, que a autocompaixão se revela como auto amabilidade diante da autocrítica, como humanidade compartilhada perante o isolamento e ainda, como auto atenção ou atenção plena frente ao excesso de identificação ou sobre identificação. A atitude e o cultivo da autocompaixão, pode contribuir favoravelmente para a diminuição dos estados depressivos, estados ansiosos, o estresse e as formas de resistência emocional. A compaixão começa com a autocompaixão.

Abraços   ****

Vivi

AUTOCOMPAIXÃO

A compaixão consiste em se disponibilizar a agir em favor do outro. Ela vai além da empatia, além da ressonância afetiva. A compaixão é uma atitude que se concretiza numa ação, que busca a compreensão do outro e ainda, facilitar situações, ajudar, contribuir para minimizar o sofrimento do outro e de outros. A compaixão se manifesta numa ação concreta, e não apenas se colocar no lugar do outro na busca de compreensão. Compaixão é ação. E a autocompaixão? Esta se manifesta na atitude de dar a si próprio o mesmo cuidado, o mesmo acolhimento, de forma serena e gentil que oferecemos a uma outra pessoa quando em sofrimento, quando se sente inadequada ou diante de um fracasso.

Abraços   ****

Vivi

ESTADOS MENTAIS POSITIVOS

O cultivo de estados mentais positivos, em especial a compaixão, tem sido apontado por grandes pesquisadores na área da neurociência como a chave para uma vida relacional saudável. Cultivar atitudes compassivas na vida afetiva, cognitiva e espiritual, com atenção às escolhas, às condutas, alicerçadas pelos valores mais meritosos, favorece estados mentais positivos e mais saudáveis.  Uma vida cotidiana mais equilibrada favorece relações mais saudáveis, tanto na vida pessoal como social e espiritual.

Abraços   ****

Vivi

 

A  SATISFAÇÃO  DA  CALMA

Estados internos mais calmos e serenos, oferecem mais satisfação e auto confiança. A insatisfação está diretamente relacionada à agitação e ansiedade. A agitação das insatisfações conduzem à autocrítica, ao sentimento de ameaça, que por sua vez, desembocam no sentimento de vergonha. A auto realização traz a satisfação do contato com as potencialidades pessoais, as possibilidades de transformação pela conquista interna de espaços mais confiáveis. A calma e a satisfação andam juntas.

Abraços  ****

Vivi

EQUILÍBRIO  EMOCIONAL

Diante das turbulências emocionais, existe uma tendência que é a tentativa levada à exaustão de querer explicar e de alguma forma, encontrar culpas e culpados. Nestes embaraços, a porta de saída desaparece. Quem sabe um outro caminho possa ser mais eficaz: deixar as explicações para viver a compaixão! A compaixão tem sido apontada por muitos pesquisadores como uma ferramenta preciosa para o restabelecimento do equilíbrio emocional. Atitudes compassivas, solidárias, empáticas, gentis, podem favorecer uma mente mais equilibrada, mais calma e mais serena.

Abraços  ****

Vivi