E O FUTURO ?

Há quem diga que aos nossos jovens pertence o futuro, que os jovens são o nosso futuro. Talvez pudéssemos pensar que o futuro dos nossos jovens é o presente do hoje, do agora, afinal, é agora, é neste instante que os jovens vivem e portanto, a nossa responsabilidade para com os nossos jovens é no agora, no presente do hoje.

Os adultos precisam entender que é do presente que os jovens se alimentam, se nutrem e aprendem e a nossa responsabilidade é agora. Responsabilidade e respeito é para já.

Abraços   ****

Vivi

ASSIM COMO UMA CIRANDA …

A vida é como uma grande ciranda, a todo momento tem gente entrando e gente saindo da roda. A beleza e encantamento da vida é que ela tem a sabedoria de receber e acolher a todos, os que chegam e os que saem. Todos os seres humanos ao nascerem, entrando na ciranda da vida, recebem todas as dádivas, toda a potência para viver e vivificar a existência. Quando será que iremos aprender a sermos como a vida, como as ondas do mar que a todo instante vão e vem? Quando será que iremos acolher todas as pessoas igualmente, na grande roda da vida? Acolher e acolher a vida em toda a sua magnitude?

Abraços   ****

Vivi

ENCONTROS QUE ALIMENTAM ENCONTROS

A vida é vivida através dos encontros. O ser humano se faz humano e se humaniza através do outro humano, nos encontros, nos acontecimentos, no viver e conviver. Encontros significativos, afetuosos, generosos, solidários, são encontros humanizantes. O ser humano não está pronto, mas está em processo, e é nas relações que nós, seres humanos, nos fazemos sujeitos de nossa própria história. O reconhecimento como o pertencimento, são fundamentais para a existência de uma consciência e construção de uma subjetividade. Encontros fazem encontros quando os afetos são vividos na reciprocidade da amorosidade. Portanto, não tenha medo de ser feliz! Não tenha medo de ser carinhoso! Não tenha medo de viver a plenitude do seu maior e do seu melhor!!!!

Abraços   ****

Vivi

 

A GENTE QUE SE SENTE GENTE …

A gente se sente gente quando somos recebidos, acolhidos, reconhecidos como gente. A solidariedade quando se faz presente nos encontros nos faz sentir gente e quando nos sentimos gente, podemos reconhecer gente como a gente, com generosidade, alegrias, potências, competências, e também e porque não, tristezas, dúvidas, incertezas … Gente, somos todos igualmente, singulares e plurais, unos e diversos. Esta é a beleza da vida quando somos e juntos, nos fazemos gente como todas as gentes.

Abraços   ****

Vivi

 

DIALOGAR PARA SE COMPLETAR

Se não vivemos sozinhos, se dependemos uns dos outros, se a vida se estabelece por trocas e reciprocidades, aprender a dialogar para aprender a compartilhar e se completar através do outro, é algo que ainda temos muita dificuldade de fazer. Somos seres incompletos, e é através do outro e com o outro que aprendemos a ser um ser humano humanizado. É através do dialogar que podemos viver a experiência da cooperação, do compartilhamento, do acolhimento, do novo e daquilo que está por vir. O diálogo abre os espaços para emergir o novo e tudo o que possa contribuir para o nosso crescimento pessoal, relacional, psíquico e espiritual.

Abraços   ****

Vivi

 

ABRIR ESPAÇOS …

Embora que muitas sejam as mudanças que surgem a todo dia no cenário cotidiano, ainda como humanos buscamos certezas e previsibilidades. Abrir espaço para o novo é uma atitude mental e comportamental que em grande parte fica apenas nas reflexões teóricas. Conviver como o diferente, reconhecer e aceitar a diversidade, nas relações de convivência ainda parece ser algo bastante desafiador. Disponibilizar-se para dialogar com o novo é uma atitude que requer treino mental, fácil de falar mas, difícil de agir.

Abraços   ****

Vivi

 

 

CONFIANÇA

A confiança é um ingrediente fundamental nas relações de convivência, seja nas relações que estabelecemos com o outro, com os outros e com o mundo, seja nas relações que estabelecemos internamente em nossa vida interior. A auto confiança, caminha junto com a confiança que depositamos em todas as nossas relações sociais. Confiar é fiar junto, é tecer junto, com o outro e todos os outros que existem em nossa subjetividade. Sendo fruto das experiência vividas, associada  às memórias e também ao coletivo cultural a que somos parte integrante, independente nossa vontade, a confiança é um sentimento fundamental em todas as relações sociais. Até mesmo os economistas afirmam que a confiança é o que mobiliza as operações financeiras. Então, por onde tem andado a confiança social que às vezes parece que saiu da cena?

Abraços   ****

Vivi

 

CORAGEM PRECISA DE CORAJOSOS

Ser feliz, ser digno da dignidade, ser ético, ser pleno para uma vida em plenitude para si e para todos, é uma questão de coragem. Não é possível ser feliz diante de tantas pessoas infelizes. Há que ter a coragem de enfrentar o medo, a covardia, a inveja, a ganância, a prepotência, a auto mentira e auto sabotagem mental para ter a dignidade de ser digno de uma vida plena. Justiça se faz com pessoas justas. Nunca haverá justiça enquanto as pessoas não forem honestas e justas consigo mesmas. Para viver uma vida com dignidade, há que ter a coragem de ser honesto consigo mesmo. A coragem de mergulhar nas entranhas de si mesmo para reconhecer e abandonar o que me faz egoísta e individualista.

Abraços   ****

Vivi

 

 

 

 

PARADIGMAS EM MUDANÇA

A história evidencia a cada geração e a cada dia que os paradigmas que têm norteado a humanidade se esgotou! Que paradigma? O que se esgotou? O que se esgotou é este modelo de uma racionalidade egoísta. Quando o modelo cultural coloca o dinheiro à frente da vida, é sinal que a vida está correndo risco. O paradigma do bem para poucos, da riqueza para poucos, dos privilégios para poucos em detrimento da miséria e fome para milhões, não tem mais sustentabilidade. Não há ecologia sem democracia. Não vida sem equidade. Estamos matando nossos rios, nossas terras, nossos mares, ares, florestas, águas, nossa gente, nosso planeta. É a vida que está em perigo. O modelo rentista do lucro a qualquer custo, esgotou-se. O que fazer?

Abraços ****

Vivi

O RESIGNADO

Cuidado com o resignado! Cuidado com o sujeito que cai na esteira da resignação e cuidado, com o resignado que pode se apropriar na nossa subjetividade. A resignação é uma atitude que pode até parecer realista ou pragmática, mas no fundo, é geradora de isolamento, individualismo e até mesmo de  hipocrisia. A resignação se apropria das expressões: “ é assim mesmo, as coisas são assim e eu não tenho nada a fazer…” O antídoto da resignação poder ser a Esperança!

Abraços   ****

Vivi